Autoadvocacia de pessoas com deficiência inseridas no mercado de trabalho

Autores

  • Luana Fernandes de Jesus Universidade Estadual Paulista - UNESP
  • Maewa Martina Gomes da Silva e Souza Universidade Estadual Paulista - UNESP
  • Simara Pereira da Mata Prefeitura Municipal de Rio Claro/SP

DOI:

https://doi.org/10.36311/2358-8845.2022.v9n1.p11-26

Palavras-chave:

Autoadvocacia, Pessoas com deficiência, Mercado de Trabalho

Resumo

Para minimizar as barreiras sociais encontradas pelas pessoas com deficiência, destaca-se a importância que a educação possui em relação à transformação da realidade desses sujeitos, sobretudo acerca das questões que envolvem a superação dos inúmeros quadros de desempoderamento. Assim, o presente estudo teve como objetivo descrever o perfil de pessoas com deficiência inseridas no mercado de trabalho, bem como analisar a trajetória educacional e profissional desses sujeitos. Participaram do estudo três colaboradores com deficiência, sendo eles: um participante com deficiência visual, um participante com deficiência física e um participante com deficiência múltipla. Para essa pesquisa qualitativa de natureza descritiva foram realizadas entrevistas tendo como instrumento um roteiro semiestruturado. Os resultados indicaram que a inserção e participação ativa dessas pessoas no mercado de trabalho constituiu-se como um fator positivo no processo de desenvolvimento de habilidades de autoadvocacia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Fernandes de Jesus, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutoranda em Educação (UNESP). Especialista em Docência no Ensino Superior (FCE). Especialista em Educação Inclusiva em Deficiência Intelectual (FCE). Especialista em Educação Especial (FCE). Bacharel em Educação Física(USP).

Maewa Martina Gomes da Silva e Souza, Universidade Estadual Paulista - UNESP

Doutora e Mestre em Educação (UNESP). Especialista em Atendimento Educacional Especializado (UNESP) e Psicopedagoga Institucional e Clínica (INDEP). Pedagoga com habilitação em Deficiência Intelectual (UNESP).

Simara Pereira da Mata, Prefeitura Municipal de Rio Claro/SP

Doutoranda em Educação (UNESP). Mestre em Educação (UNESP). Especialista em Atendimento Educacional Especializado na Perspectiva da Educação Inclusiva (UNESP). Pedagoga com habilitação em Educação Especial Deficiência Auditiva (UNESP). Fisioterapeuta (Faculdade Anhanguera Educacional). Professora da Educação Básica I e II - Atendimento Educacional Especializado, Rio Claro/SP, atualmente na função de Coordenadora Pedagógica de Educação Especial. Membro do Grupo de Pesquisas “Deficiências Físicas e Sensoriais” (DefSen) UNESP.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 6. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

CORDEIRO, M. P. Ativismo e deficiência: um estudo sobre os repertórios que dão sentido à vida independente. Psicol. rev., Belo Horizonte, v. 15, n. 2, p. 114-131, ago. 2009.

DANTAS, T. C., Estudo da autoadvocacia e do empoderamento de pessoa com deficiência no Brasil e no Canadá. 2014. 237f. (Doutorado em Educação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2014.

DUARTE, N. A historicidade do ser humano e o esvaziamento da individualidade na sociedade capitalista. In. DUARTE, N. Vygotsky e o “aprender a aprender” – crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria Vygotskyana. 2ª ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2001.

IVATIUK, A. L.; YOSHIDA, E. M. P. Orientação profissional de pessoas com deficiências: Revisão de literatura (2000-2009). Rev. bras. orientac. prof, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 95-106, jun. 2010.

MANZINI, E. J. Considerações sobre a transcrição de entrevistas. São Carlos, SP: UFSCar/ONEESP. 2014. Disponível em: <http://www.oneesp.ufscar.br/texto_ orientacao_transcricao_entrevista>.

MANZINI, E. J. Uso da entrevista em dissertações e teses produzidas em um programa de pós-graduação em educação. Revista Percurso – NEMO, Maringá, v. 4, n. 2, p. 149- 171, 2012.

MANZINI, E. J. Considerações sobre elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. (In) Maria Cristina Marquezine, Maria Amélia de Almeida, Sadao Omote (orgs.). Colóquios sobre pesquisa em educação especial. Londrina. Eduel, 2003, p. 11-25.

MARTINS, L.M. Da formação humana em Marx à crítica da pedagogia das competências. In: DUARTE, N. (org). Crítica ao Fetichismo da Individualidade. Campinas: Autores Associados, 2012. P.223.

MOTA ROCHA, R. S.; OLIVEIRA, C. M. L. Educação inclusiva em curso: ganhos, desafios e perspectivas para a educar contra a barbárie na escola pública. Anais III CINTED. Editora Realize, V. 1, 2018, ISSN 2359-2915, Campina Grande, PB.http://www.editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV110_MD1_SA6_ID1195_11072018165839.pdf. Acessado em maio de 2019.

ROCHA, T. B.; MIRANDA, T. G. A inclusão de alunos com deficiência no ensino superior: uma análise de seu acesso e permanência. In: DÍAZ, F., et al., orgs. Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas [online]. Salvador: EDUFBA, 2009, pp. 27-37.

ROSA, F. D.; DENARI, F. E. Trabalho, educação e família: perspectivas para a pessoa com deficiência intelectual. Revista Educação Especial | v. 26 | n. 45, | p. 73-90| jan./abr. 2013.

TANAKA, E. D. O.; MANZINI, E. J. O que os empregadores pensam sobre o trabalho da pessoa com deficiência? Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Mai. -Ago. 2005, v.11, n.2, p.273-294.

VALORE, L. A. A problemática da escolha profissional: a possibilidades e compromissos da ação psicológica. In SILVEIRA, AF., et al., org. Cidadania e participação social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008. pp. 66-76.

Downloads

Publicado

2022-08-16

Edição

Seção

Fluxo Contínuo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)