O papel de mães frente à educação e inclusão de estudantes surdos em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2358-8845.2021.v8n1.p55-70

Palavras-chave:

Ensino remoto, Estudante surdo, Mães, Escola bilíngue

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar como as mães de estudantes surdos em processo de inclusão concebem a escola e como acompanham a escolarização dos filhos por meio do ensino remoto. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que utilizou como procedimento metodológico entrevistas semiestruturadas online.  Participaram da pesquisa cinco mães de estudantes surdos de uma escola pública do Recife, que estão matriculados em salas de aula regulares bilíngues - Libras /Língua Portuguesa. Os dados foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo e organizados em categorias. Os resultados sugerem uma relação de parceria entre as mães e a escola, sobretudo, com as professoras. Ainda existe uma barreira linguística entre o aluno surdo e a família que dificulta a mediação da aprendizagem. Neste sentido, compreendemos o trabalho colaborativo entre família e escola como uma possibilidade para superação dos desafios para com a inclusão desses sujeitos.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laeda Bezerra Machado, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Educação, Professora titular do Departamento de Administração Escolar e Planejamento Educacional. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação - Centro de Educação Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Linha de pesquisa: Formação de professores e prática pedagógica

Maria Luciana Davi, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Mestre em Antropologia, graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Referências

BRASIL, Constituição Federativa do. Lei Brasileira de Inclusão nº 13.146 de 06 de julho de 2015. Disponível em:<http://www.punf.uff.br/inclusao/images/leis/lei_13146.pdf.>; Acesso em: 11 Out.2019.

BRASIL, Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Res. CNE/CEB n.02/2001; Parecer CNE/CEB n. 017/2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf>, Acesso em: 01 Dez.2019.

BRASIL, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/conselho-nacional-de-educacao/atos-normativos--sumulas-pareceres-e-resolucoes/33371-cne-conselho-nacional-de-educacao/85201-parecer-cp-2020 Acesso em: 01 set.2020.

BRASIL, Lei Federal N. 10436 de 24 de abril de 2002: Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília 2002. Disponível em:

BRASIL, Decreto Nº 5626/2005: Regulamenta a Lei nº 10436/2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais- LIBRAS, e o Art. 18 da Lei nº 10098/2000. Brasília, 2005. Disponível em: < https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html>. Acesso em: 01 Dez.2019.

BRASIL, Ministério da Saúde. Primeiro caso de Covid-19 no Brasil permanece sendo o de 26 de fevereiro. 2020. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/noticias/primeiro-caso-de-covid-19-no-brasil-permanece-sendo-o-de-26-de-fevereiro. Acesso em: 20 de setembro de 2020.

CHRISTOVAM, A. C. Camargo e CIA, F. Comportamentos de pais e professores para promoção da relação família e escola de pré-escolares incluídos. Revista Educação Especial, v. 29, n. 54, jan./abr. p. 135- 146. 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/issue/view/992>. Acesso em: 12 Out. 2019.

CHRISTOVAM, A. C. Camargo e CIA, Fabiana. O Envolvimento parental na visão de pais e professores de alunos com necessidades educacionais especiais. Rev. Bras. Educ. Espec. , vol.19, n.4, p.563-581.p. 2013. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141365382013000400007&script=sci_abstract&tlng=pt> Acesso: 15 Out. 2019.

DIAS, T.R.S; ROCHA, J.C.M.; PEDROSO, C.C.A.; CAPORALI, S.A Educação bilíngüe de surdos: grupos de familiares. ANPED 24ª Reunião Anual – Intelectuais, conhecimento e espaço público, Anais eletrônicos, Caxambu-MG. Grupo de Trabalho 15 – Educação Especial, 2001. Disponível em: <http://24reuniao.anped.org.br/>. Acesso em: 02 Out. 2019.

FERNANDES, S.; MOREIRA, L. C. Desdobramentos politico-pedagógicos do bilinguismo para surdos: reflexões e encaminhamentos. Revista Educação Especial, Santa Maria Rs, v. 22, n. 34, p. 225-236, maio/ago. 2009. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/275 . Acesso em: 29 out.2020

GOITEIN, P.C.; CIA, F. Interações familiares de crianças com necessidades educacionais especiais: revisão da literatura nacional. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 43-51, jan./jun. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v15n1/05.pdf. Acesso em 28 out.2020

LEITE, N. M.; LIMA, E. G. O. de; CARVALHO, A. B. G. Os professores e o uso de tecnologias digitais nas aulas remotas emergenciais, no contexto da pandemia da covid-19 em Pernambuco. Em Teia – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Recife, v. 11, n. 2, p. 1-15, 2020.

LIZEU, L.C. T.de B.; CAPORALI, S. A. A língua de sinais constituindo o surdo como sujeito. Educação & Sociedade, Campinas, v. 91, n. 26, p. 583-597, maio 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a14v2691.pdf Acesso: 29out. 2020

MAROSTEGA, V. L.; SANTOS, A. N. dos. A influência da comunicação que envolve família-filho-escola no processo de desenvolvimento e aprendizagem do sujeito surdo. Revista Educação Especial, Santa Maria RS, v. 25, n. 1, p. 1-6, jul. 2006. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/4301/2534. Acesso em: 28 out. 2020.

MINAYO, M.C. de S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Perguntas e respostas sobre a doença por coronavírus (COVID-19). Disponível em: https://www.who.int/es/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/q-a-coronaviruses. Acesso em : 15 de out. 2020.

OLIVEIRA, E. de; ENS, R. T.; ANDRADE, D.B. S. F.; MUSSIS, C. R.de. Análise de Conteúdo e pesquisa na área da Educação. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 4, p. 11-27, maio/ ago. 2003.

OLIVEIRA, W.A. de et al. A saúde do adolescente em tempos da COVID-19: scoping review. Cad. Saúde Pública . Rio de Janeiro,vol.36n.8, 2020.

RECIFE, Instrução Normativa Secretaria de Educação nº 2. 12 de janeiro de 2016. Dispõe sobre a normatização das Salas regulares Bilíngues no Município do Recife para Estudantes Surdos, e dá outras providências. Disponível em: <https://leismunicipais.com.br/a/pe/r/recife/decreto/2015/2858/28587/decreto-n-28587-2015-institui-as-salas-regulares-bilingues-para-surdos-na-rede-municipal-de-ensino-do-recife>. Acesso em: 11 de Out.2019.

RECIFE. Decreto nº 33646, de 29 de abril de 2020. Prorroga, até nova decisão, a suspensão das atividades presenciais das Escolas Públicas Municipais e das Escolas e Universidades Particulares situadas no Município do Recife. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/ Acesso em: out. 2020.

RECIFE, Decreto de nº 33.512 de 15 de março de 2020. Estabelece medidas no âmbito da Secretaria de Educação em face das disposições contidas no Decreto Municipal que declarou situação de emergência no município de Recife em virtude do COVID 19 (novo Coronavírus) Disponível em: https://leismunicipais.com.br/ Acesso em: out. 2020.

RONDINI, Carina Alexandra; PEDRO, Ketilin Mayra; DUARTE, Cláudia dos Santos. Pandemia da covid-19 e o ensino remoto emergencial: mudanças na prática pedagógica. Interfaces Científicas, Aracaju, v. 10, n. 1, p. 41-57, 2020.

SARAIVA-JUNGES, L. A; WAGNER, A. Os estudos sobre a Relação Família-Escola no Brasil: uma revisão sistemática. Educação (Porto Alegre), v. 39, n. esp. (supl.), s114-s124, dez. 2016

SCHEMBERG, GUARINELLO e SANTANA. As Práticas de Letramento na escola e na família no contexto da surdez: reflexões a partir do discurso dos pais e professores. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.15, n.2, p.251-268, Mai.-Ago., 2009. Disponível:<http://www.scielo.br/pdf/rbee/v15n2/06.pdf>. Acesso: 15 Out. 2019.

SCHEMBERG, S.; GUARINELLO, A. C.; MASSI, . O ponto de vista de pais e professores a respeito das interações linguísticas de crianças surdas. Rev. bras. educ. espec. vol.18 no.1 Marília Jan./Mar. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382012000100003>.Acesso: 15 Out. 2019

SANTOS, J. P. S. Participação e satisfação de pais de crianças autistas com a escola: estudo exploratório. Revista Educação Especial, v. 30, n. 58, maio/ago. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/issue/view/1220>. Acesso em : 15 Out. 2019.

SANTOS, K. M.dos. A aula não é mais presencial, e agora? Tecnologias e experiências docentes em tempos de COVID-19. Em Teia – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Recife, v. 2, n. 11, p. 1-22, 2020.

SHIMAZAKI, E. M. MENEGASSI, R. J; FELLINI, D.G. N. Ensino remoto para alunos surdos em tempos de pandemia. Práxis Educativa, Ponta Grossa. v. 15, , p. 1-17

Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/15476/209209213432. Acesso 13 out. 2020

SOARES, M. B.; MACHADO, L. B. Coleta de dados em ambientes virtuais: uma possibilidade para as pesquisas em educação. Lumen, Recife, v. 1, n. 28, p. 9-27, jan./jun 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-10