Pressupostos metodológicos do populismo
PDF

Palavras-chave

Tipo ideal
Weffort
Chave liberal de leitura negativa
Crítica metodológica

Como Citar

SARTORETTO, L. Pressupostos metodológicos do populismo. Revista Aurora, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 117–130, 2019. DOI: 10.36311/1982-8004.2019.v12esp.12.p117. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/9772. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

O presente trabalho procura investigar o conceito de populismo aprofundando a análise chasineana que o concebe como um tipo ideal. Construído mediante um largo processo temporal, que parte de preocupações com a particularidade da modernização capitalista das relações de classe na América Latina, o conceito vai encontrar em Francisco Weffort uma sistematização que o consolidará enquanto agrupamento individual elencado pelos valores do pesquisador, tal como orienta Weber. Assim, a crítica de raiz metodológica percebe que o conceito se localiza dentro do horizonte liberal, uma vez que suas análises parametram a realidade pela antinomia entre sociedade civil e Estado, onde o populismo, irracional por não se apresentar conformado pelas instituições intermediárias clássicas da democracia liberal, é visto como culto ao poder carismático e demagógico do líder estatal.

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2019.v12esp.12.p117
PDF

Referências

ASSUNÇÃO, V. N. F.; SARTÓRIO, L. A. V. A crítica chasineana à analítica paulista. Verinotio. Revista on-line de educação e ciências humanas. n. 9, ano V, nov. 2008. p. 135-153.

CHÁSIN, J. A sucessão na crise e a crise na esquerda. Revista ensaio. n. 17/18, 1989.

COHN, G. Crítica e resignação: fundamentos da sociologia de Max Weber. São Paulo: T. A. Queiroz, 1979.

CORSI, F. L. Estado Novo: política externa e projeto nacional. São Paulo: Editora Unesp: Fapesp, 2000.

DRAIBE, S. M. Rumos e metamorfoses. Estado e industrialização no Brasil: 1930/1960. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1985.

FERREIRA, J. O nome e a coisa: o populismo na política brasileira. In: FERREIRA, J. (Org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001. p. 59-124.

GOMES, M. A. O populismo e as ciências sociais no Brasil: notas sobre a trajetória de um conceito. In: FERREIRA, J. (Org.). O populismo e sua história: debate e crítica. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2001. p. 17-57.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. O Risorgimento. Notas sobre a história da Itália. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2002. v. 5.

HOBSBAMW, E. A era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhias das letras, 1995.

IANNI, O. O colapso do populismo no brasil. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1968.

IANNI, O. A formação do Estado populista na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1991.

KOFLER, L. História e dialética. Estudos sobre a metodologia da dialética marxista. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2010.

KOSIK, K. A dialética da moral e a moral da dialética. In: Volpe, G. D. [et al]. Moral e Sociedade: atas do convênio promovido pelo Instituto Gramsci. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.99-117.

LIPSET, S. M. Alguns requisitos sociais da democracia: desenvolvimento econômico e legitimidade política. Primeiros estudos, São Paulo, n. 2, p. 198-250, 20102.

LOSURDO, D. Para uma crítica da categoria de totalitarismo. Crítica marxista, n. 35, p. 41-58, 2012.

LUKÁCS, G. O particular à luz do materialismo dialético. In: LUKÁCS, G. Introdução à uma estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1978. p. 73-122.

MARX, K. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011a.

MARX, K. A guerra civil na França. São Paulo: Boitempo, 2011b.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Expressão popular, 2008a.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008b.

MAZZEO, A. C. Sinfonia inacabada: a política dos comunistas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 1999.

MONTESQUIEU, Charles Louis de Secondat, Baron de la. Do espírito das leis. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

PRADO JÚNIOR, C. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1966.

RAMOS, P. A. Os partidos paulistas e o Estado Novo. Petrópolis: Vozes Ltda, 1980.

SKIDMORE, T. Brasil: De Getúlio a Castelo. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1976.

TOCQUEVILLE, A. A democracia na América: leis e costumes de certas leis e certos costumes que foram naturalmente sugeridos aos americanos por seu estado social democrático. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva, Brasília: Editora da universidade de Brasília, 2000.

WEBER, M. Ensaios sobre a teoria das ciências sociais. São Paulo: Centauro, 2003.

WEFFORT, F. C. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

WEFFORT, F. C. O nacionalismo, o populismo e o que restou do legado político e econômico de Vargas. In: SZMRECSÁNYI, T.; GRANZIERA, R. G. (Org). Getúlio Vargas e a economia contemporânea. Campinas: Editora da Unicamp, 2004. p. 157-170.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.