Sobre a Revista

Foco e Escopo

Revista Aurora foi criada durante o segundo semestre de 2007. Sua primeira edição é de dezembro de 2007. Classificada, atualmente, como "Qualis B5 e B3" pela CAPES, a revista é coordenada por estudantes do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” UNESP – Faculdade de Filosofia e Ciências – Campus de Marília, e está indexada nas bases: Latindex, Sumarios.org, REDIB, EuroPub, LatinREV e Google Scholar.

Com periodicidade semestral e contando com três seções: Dossiê, Miscelânia e Seção Especial, a revista busca criar mais um espaço para a discussão tanto dos temas clássicos quanto contemporâneos, buscando a promoção constante do diálogo entre áreas do conhecimento das Ciências Sociais, como a Antropologia, Ciência Política, Sociologia, Filosofia e a História. A Revista Aurora não se caracteriza, portanto, como uma revista departamental, antes, pois, abre espaço para o debate interdisciplinar presente nas quatro linhas de pesquisa do programa de Pós-Graduação da Unesp-Marilia, que são: Linha 1: Pensamento Social e Políticas Públicas; Linha 2: Cultura, Identidade e Memória; Linha 3: Trabalho, e Sociabilidade; Linha 4: Relações Internacionais e Desenvolvimento.

Comprometida com a critica social, com a reflexão crítica e inovadora acerca de problemáticas sociais, com o pluralismo no campo da pesquisa e prezando pela abertura às diferentes vertentes das Ciências Sociais, a Revista Aurora está aberta a colaboração de pesquisadores, docentes e estudantes de quaisquer universidades e institutos de pesquisas do Brasil e do exterior.

 

Diretrizes e Avaliação por pares

As submissões passam por um processo de verificação pela equipe editorial. Textos que não se enquadram no escopo da revista ou que não cumpram as normas editorias e de apresentação serão arquivados. As submissões que passaram pelo processo de verificação editorial, são encaminhadas para duas/dois avaliadoras/es especializadas/os na temática, que servirão de subsídio aos editores, podendo-se consultar um/a terceira/o parecerista em caso de conflito nas avaliações. A publicação de trabalhos está condicionada ao cumprimento das recomendações dos pareceristas. Na avaliação são levados em conta originalidade e relevância, consistência e rigor da abordagem, além de considerar sua contribuição para as Ciências Sociais. O sistema de revisão é duplo cego: os nomes dos/as pareceristas permanecerão em sigilo, omitindo-se também os nomes dos/as autores/as perante os/as pareceristas.

A decisão sobre a publicação cabe à comissão editorial, que se baseia na avaliação de especialistas externos pelo sistema duplo cego (blind review). A comissão reserva-se o direito de sugerir aos/às autores/as modificações de forma ou conteúdo a fim de adequar as colaborações ao padrão da revista. A revista não cobra taxas para recebimento ou processamento de artigos. Eventuais modificações serão acordadas com os/as autores/as. Não serão admitidos acréscimos ou modificações depois que os trabalhos forem entregues para composição.

 

Política de Acesso Livre

A revista oferece acesso livre e imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizá-lo gratuitamente ao público contribui para a democratização do conhecimento científico. Não há qualquer taxa de submissão ou publicação.

 

Compromisso Ético

O periódico segue os padrões éticos de publicação do Committee on Publication Ethics (COPE), cujos princípios estão descritos aqui. Práticas de plágio, autoplágio, falsificação e fabricação de dados não são permitidas. Essas más condutas científicas são definidas, respectivamente, pela Academia Brasileira de Ciências da seguinte maneira neste endereço

  1. Plágio envolvendo a apropriação de ideias e do trabalho de outros sem o crédito devido;
  2. Autoplágio ou republicação de resultados científicos já divulgados, como se fossem novos, sem informar publicação prévia;
  3. Falsificação ou manipulação de dados, procedimentos e resultados;
  4. Fabricação de resultados e de registros como se fossem reais;

A Comissão Editorial se compromete com os princípios de impessoalidade, transparência e confidencialidade nas avaliações, preservando os direitos de avaliadores/as, autores/as e instituições envolvidos/as no processo editorial. Nas avaliações, se utiliza o programa CopySpider. A revista também é signatária da Declaration on Research Assessment (DORA).

 

Política de Errata e Retratação

As diretrizes do COPE (aqui) e do Council of Science Editors (aqui) são seguidas para a correção de artigos. Com base nessas fontes, há três métodos para a correção de literatura científica:

  1. Errata - se refere a emendas ou alterações em partes do artigo. As correções podem ser em título do artigo, nomes dos/as autores/as e erros tipográficos ou de diagramação;
  2. Retratação - se refere a correções parciais do artigo em razão de erros metodológicos, análise incorreta de dados, má conduta científica ou pesquisa não reprodutível. Também há a possibilidade de retirada do artigo por completo da página da revista;
  3. Expressão de preocupação - se refere à publicação de um aviso pelo/a editor/a quando há preocupação sobre a confiabilidade de um artigo, mas as informações são insuficientes para justificar uma retratação.

O pedido e a escrita da correção devem ser feitos pelo/a autor/a responsável pelo artigo. Caso haja discordância entre os/as autores/as sobre o que está sendo corrigido, o/a editor/a do periódico se torna responsável pela escrita da correção. A errata, retratação ou expressão de preocupação será publicada o mais rapidamente possível, permanecendo o artigo na página da revista com a respectiva indicação de correção.

 

Sobre a alegação, a investigação e a declaração de más condutas científicas

 

As alegações de má conduta de autores/as, avaliadores/as e editores/as são analisadas pela Comissão Editorial, que tem um prazo de 30 dias para dar uma resposta ao/à autor/a da alegação. Estão incluídas nesse campo as suspeitas de plágio, fabricação e falsificação de dados, divergência entre os textos publicados e as normas do periódico, autocitação indevida, troca de citações e práticas indevidas que possam impactar nas métricas editoriais. Sendo a má conduta identificada, o artigo objeto da reclamação será excluído do periódico, com as respectivas justificativas.

PERIODICIDADE

Semestral