Revolução passiva, golpe de estado e subversivismo reacionário na história do Brasil
PDF

Palavras-chave

revolução burguesa no Brasil
revolução passiva
particularidade do capitalismo brasileiro
subersivismo reacionário
modernização conservadora

Como Citar

DEO, A. Revolução passiva, golpe de estado e subversivismo reacionário na história do Brasil. Revista Aurora, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 9–24, 2019. DOI: 10.36311/1982-8004.2019.v12n2.03.p9. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/9446. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

O presente trabalho discute a particularidade da Revolução Burguesa no Brasil. Procura expor como o processo de objetivação do capitalismo no país reflete uma forma específica de dominação, cuja concreção reproduz uma forma também específica de Revolução Passiva. A hipótese na qual nos pautamos aponta para a revolução brasileira como um longo processo de modernização conservadora, onde as transformações históricas foram (e são) dinamizadas pela composição entre o historicamente velho e o historicamente novo, pela subalternização da força de trabalho, amalgamados por um conteúdo ideológico igualmente conservador, que se explicita historicamente através de formas de subversivismo reacionário, reproduzindo o caráter colonial-bonapartista da autocracia burguesa que aqui se instala. O universo categorial lukasciano e gramsciano será por nós utilizado como referencial teórico.

Recebido em 11/11/2019
Aprovado em 20/12/2020

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2019.v12n2.03.p9
PDF

Referências

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho. Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Editorial Boitempo, 2000.

ANTUNES. R. Adeus ao Trabalho?¬ – Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

BOITO JR., A. Política neoliberal e sindicalismo no Brasil. São Paulo: Xamã, 1999.

CARODOSO, A. M. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Editorial Boitempo, 2003.

CHASIN, J. O integralismo de Plínio Salgado. Forma de regressividade no capitalismo hiper-tardio. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas LTDA, 1978.

COUTINHO, C. N. Uma via “não-clássica” para o capitalismo. (In) D’INCAO, M. A. História e ideal.Ensaios sobre Caio Prado Junior. São Paulo: Editora Unesp/Secretaria de Estado da Cultura/Editora Brasiliense, 1989.

DEL ROIO. M. T. O império universal e seus antípodas: a ocidentalização do mundo. São Paulo: Ícone, 1998.

DEL ROIO. M. T. Os prismas de Gramsci: a fórmula da política da frente única (1919-1926). São Paulo: Xamã, 2005.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.

FRANCO, M. S. C. Homens livres na ordem escravocrata. 3. Ed. São Paulo: Kairós Livraria Editora, 1983.

GRAMSCI. A. Os cadernos do cárcere. (6 volume). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GRUPPI, L. Conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

LAMPEDUSA, G. T. O leopardo. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

LENIN, V. I. “Las tres fuentes y las tres partes integrantes del marxismo”, in: Obras Completas. Tomo XXIII. Moscou: Editora Progresso, 1984.

LENIN, V. I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia: o processo de formação do mercado interno para a grande indústria. Os Economistas. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1970.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social. Os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas LTDA, 1979.

MARX, K. A burguesia e a contra-revolução. São Paulo: Ensaio, 1997.

MARX, K. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. Col. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

MARX, K. O capital – Capítulo VI: inédito. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas LTDA, 1978.

MAZZEO, A. C. Estado e burguesia no Brasil: origens da autocracia burguesa. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

MÉSZÁROS, I. O século XXI: Socialismo ou barbárie?. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

PERICÁS, L. B. & WIDER, M. C. Caio Prado Júnior. In: PERICÁS, L. B. & SECCO, L. (Org.). Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados. São Paulo: Boitempo, 2014.

PERICÁS, L. B. & SECCO, L. (Org.). Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados. São Paulo: Boitempo, 2014.

PRADO JR. C. Formação do Brasil Contemporâneo. Colônia. São Paulo: Brasiliense; Publifolha, 2000.

PORTELLI, H. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

SECCO, L. Gramsci e o Brasil: recepção e difusão de suas ideias. São Paulo: Cortez, 2002.

SECCO, L. Caio Prado Júnior: o sentido da revolução. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

SOUZA, J. et al. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009

SCHWARTZ, R. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

SEGATTO, J. A. Política e Literatura em Machado de Assis. In: Novos Rumos, ano 22, nº 48, 2007

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.