Afirmação, especificação e multiplicação dos direitos humanos frente às concepções organicista e mecanicista de Estado de Norberto Bobbio
PDF

Palavras-chave

direitos humanos
organicismo
individualismo
Norberto Bobbio

Como Citar

ALMEIDA, L. E. L. de. Afirmação, especificação e multiplicação dos direitos humanos frente às concepções organicista e mecanicista de Estado de Norberto Bobbio. Revista Aurora, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 97–108, 2017. DOI: 10.36311/1982-8004.2017.v10n1.08.p97. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/7425. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

A afirmação dos direitos humanos na era moderna se deu principalmente com as declarações de direitos dos Estados Unidos (1776) e da França (1789) e com a Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948). Após aprovação da Carta de 1948 pela Assembleia das Nações Unidas ocorreram os fenômenos da especificação e da multiplicação dos direitos do homem. O presente artigo revisita esses eventos e documentos, faz a descrição de suas características e aponta as causas do detalhamento (especificação) e do incremento (multiplicação) dos direitos humanos. O trabalho também expõe as teses organicista e mecanicista do Estado, demonstrando que a primeira prioriza o todo em relação a suas partes, enquanto a segunda labora com racionalidade inversa, priorizando suas partes em relação ao todo. O objetivo do artigo é apresentar a evolução dos direitos humanos na era moderna e averiguar como as teorias organicista e mecanicista podem se articular e dialogar com tais direitos, se é que ambas podem mesmo. O texto tem por referencial teórico principalmente a obra A era dos direitos, de Norberto Bobbio.
https://doi.org/10.36311/1982-8004.2017.v10n1.08.p97
PDF

Referências

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOBBIO, Norberto. Liberalismo e democracia. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Brasiliense, 2007.

BONAVIDES, Paulo. Ciência política. São Paulo: Malheiros, 2000.

BOSON, Gérson de Britto Mello. “Teoria geral dos direitos humanos”. In: PIOVESAN, Flávia; GARCIA, Maria (orgs.). Direitos humanos, vol. 1. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2010.

HABERMAS, Jürgen. “Modernidad versus postmodernidad”. In: PICÓ, Alianza Josep (comp.). Modernidad y postmodernidad. Madrid: Editorial, 1988, p. 87-102.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX. Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MIRAGEM, Bruno. Direito do consumidor: fundamentos do direito do consumidor; direito material e processual do consumidor; proteção administrativa do consumidor; direito penal do consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

PINHEIRO, Aline. Pesos e medidas: “Os direitos nem sempre são uma coisa boa e ampliá-los nem sempre é uma boa ideia”. Consultor Jurídico, 10 de julho de 2016. Disponível: <http://www.conjur.com.br/2016-jul-10/entrevista-anna-pintore-professora-universidade-cagliari>. Acesso em: 11/07/2016.

PINTO, Ana Estela de Sousa. “Os robôs, as mulheres”. Folha de S. Paulo. São Paulo, 1º de agosto de 2015, Caderno A, p. A2.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Saraiva, 2013.

SILVEIRA, Vladimir Oliveira da; ROCASOLANO, Maria Mendez. Direitos humanos: conceitos, significados e funções. São Paulo: Saraiva, 2010.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2017 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.