A JUVENTUDE COMO DISPOSITIVO DAS SOCIEDADES MODERNAS

Autores

  • Mário Thiago RUGGIERI NETO Unesp

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2015.v8n2.4075

Palavras-chave:

Juventude. Dispositivo. Governamentalidade. Sociedades Modernas

Resumo

Um debate que vem ganhando força no Brasil nas últimas duas décadas é o dos direitos específicos da juventude. Dentre os desafios colocados por este debate se destaca a necessidade de definição conceitual da juventude e da ampliação das visibilidades dentro das quais se constroem as políticas públicas voltadas para este segmento da sociedade. Longe de querer esgotar a temática, o presente artigo tem como objetivo indicar alguns apontamentos teóricos e metodológicos que contribuam na compreensão da juventude e de sua construção como problema político e científico.

Nossa proposta é partir de algumas contribuições do pensamento de Michel Focault, notadamente de duas ferramentas analíticas: a governamentalidade – formas e regimes de verdade através dos quais o poder se exerce nas relações sociais e torna possível o governo das condutas individuais e coletivas; dispositivo – rede de conhecimentos, práticas e discursos que são construídos em torno de um objeto determinado.

 Demonstraremos, a partir da análise de alguns discursos científicos, como a juventude foi construída como um dispositivo no interior de processos que configuraram a governamentalidade nas sociedades modernas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário Thiago RUGGIERI NETO, Unesp

Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais pela FFC-Unesp.

Mestrando do Programa de Pós Graduação da FFC-Unesp, Linha de Pesquisa "Pensamento Social e Políticas Públicas"

Downloads

Publicado

2015-08-27