O VÉU DEPOIS DO 11 DE SETEMBRO: A identidade e o direito das mulheres islâmicas

Autores

  • Valdeli Coelho Collares

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2011.v5n1.1703

Resumo

Esse artigo tenciona compreender a controvertida história do uso do véu islâmico, seu poder simbólico2 enquanto identidade de um grupo e o direito ou não de usá-lo, seja em seus países de origem, sejam em outros países. Nascido da necessidade de proteger as primeiras mulheres muçulmanas, o véu não pode ser usado para oprimi-las como fazem muitos países árabes não seculares, mas também não pode ser proibido quando o seu uso é adotado como símbolo de luta política, seja contra ditaduras laicas, seja como emblema de um nacionalismo. Recentemente a França aprovou uma lei que proíbe o uso desse adereço em lugares públicos, a justificativa para tal medida, se apóia no constrangimento que tais vestimentas e acessórios provocam nas pessoas que não são muçulmanas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-27

Como Citar

COLLARES, V. C. O VÉU DEPOIS DO 11 DE SETEMBRO: A identidade e o direito das mulheres islâmicas. Revista Aurora, [S. l.], v. 5, n. 1, 2011. DOI: 10.36311/1982-8004.2011.v5n1.1703. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1703. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Dossiê