Reflexões sobre o processo de produção da hipermídia na pesquisa antropológica

Autores

  • Maria Grazia C. Cardoso Universidade Federal Rural de Pernambuco image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2024.v17.e024004

Palavras-chave:

Antropologia, Pesquisa, Relatório, Hipermídia

Resumo

O artigo avalia a utilização da hipermídia e sua linguagem na divulgação dos trabalhos científicos. Resultado de projeto de pesquisa sobre o trabalho feminino nas religiões afro-brasileiras, construímos um site a fim de comunicar os resultados da pesquisa empírica. “Obrigação” no candomblé se refere a todas as atividades realizadas para a realização das cerimônias e a obrigação principal é a preparação das comidas sagradas para o sacrifício aos deuses, posteriormente repartida com a comunidade. Equiparamos esses trabalhos nos terreiros com os trabalhos domésticos relacionando-o com a condição do trabalho feminino no cenário local para mostrar o caráter voluntário e de resistência à exploração quando realizado na comunidade religiosa afro-brasileira. A hipermídia foi composta em formato de mosaico de fotografias acrescido por uma diversidade de imagens (vídeos, áudio, fotos, slides e textos escritos) que versam sobre as várias faces das atividades das cozinheiras de religião afro-brasileira desde sua família e seus afazeres domésticos no lar ao seu trabalho remunerado. A exibição dos resultados da pesquisa na hipermídia segue o mesmo fundamento da investigação científica, ou seja, ambas são reconstruções da realidade social elaborada para responder ao problema levantado. Assim como a linguagem escrita não substituiu a linguagem falada, o relatório audiovisual não substitui o relatório escrito, ele é complementar a este. Porém, diferentemente deste, representa o conceitual através da experiência do sujeito no mundo. Enquanto instrumento de comunicação científica, contribui com novas condições de diálogo observador/observado porque favorece a todos os envolvidos na investigação.

 

Biografia do Autor

  • Maria Grazia C. Cardoso, Universidade Federal Rural de Pernambuco

    Doutora em Antropologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, Pernambuco, Brasil. Professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil. E-mail:mariagraziacardoso@gmail.com

Referências

ALVES, C.; OLIVEIRA, G.,et.al. A comida e o Sagrado. O alimento que satisfaz o corpo e o espírito. Eclítica. Disponível em: puc-riodigital.com.puc-rio.br/ Acesso em: 15 de jul.,2011.

BASTIDE, Roger. O Candomblé da Bahia. São Paulo; Companhia das Letras, 2001.

BECKER, Howard. Falando da Sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BOURDIEU, Pierre; et al. A Profissão de Sociólogo. Preliminares epistemológicas. Petrópolis: Vozes, 1999.

BOUSQUIÉ, Georges. Como redigir um relatório. 3 ed. Lisboa: A. M. Teixeira,1970.

CARDOSO, Maria Grazia Cribari. Saber, Trabalho e Sabor de Terreiro em Hipermídia. Recife: FACEPE, 2018.

CÓDIGO DE ÉTICA DO ANTROPÓLOGO E DA ANTROPÓLOGA. Disponível em: http://www.portal.abant.org.br/codigo-de-etica/ Acesso em: 29/08/2021.

COZINHEIRAS DE TERREIRO. Disponível em: www.cozinheirasdeterreiro.com

FOUGEYROLLAS – SCHWEBEL, Dominique. Trabajo doméstico. In: HIRATA, Helena; Laborie, Françoise; et.al. Diccionario Crítico del Feminismo. Madri: Síntese,s.n.

GEERTZ, Clifford. Obras e Vidas. O antropólogo como autor. Rio de Janeiro; UFRJ, 2002.

GILLI, Antonio Gian. Como se fa ricerca: guida alla ricerca sociale per non specialista. Verona: Mondadori, 1972.

HIRATA, Helena; ZARIFIAN, Philippe. Trabajo (concepto de). In: HIRATA, Helena; Laborie, Françoise; et.al. Diccionario Crítico del Feminismo. Madri: Síntese, 2009.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (Ipea), Situação Atual das Trabalhadoras Domésticas no País. Comunicado n. 90 do Ipea. Brasília, maio de 2011. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=8278. Acesso em: 25/07/2018.

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidentsl: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipelágos da Nova Guiné Melanésia. 3 ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MELO Hildete Pereira; CONSIDERA, Cláudio Monteiro; et.al. 10 anos de mensuração dos afazeres domésticos no Brasil. Disponível em: http://www.spm.gov.br/area-imprensa/documentos-1/versaoartigopibafazeresdomesticossitespm.pdf. Acesso em: 15/03/2013.

MELO Hildete Pereira; THOMÉ, Débora. Mulheres e Poder. Histórias, idéias e indicadores. Rio de Janeiro: FGV, 2018.

MOREIRA LEITE. M. Texto Visual e Texto Verbal. In: BELA FELDMAN BIANCO; MOREIRA LEITE, Míriam. Desafios da Imagem: Fotografia, iconografia e vídeo nas Ciências Sociais (orgs). Campinas, SP: Papirus, 1998. p.37-p.48.

MOTTA, Roberto. Comida, Família, Dança e Transe (sugestões para o estudo do Xangô). Revista de Antropologia. V. 25, 1982, p. 147-157. ISSN- 0034-7701

NOGUEIRA, Maria Julia Reis; JACINO, Hakon. A mulher negra e as desigualdades no mundo do trabalho. In: VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (orgs). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: SESC, 2013.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O Trabalho do Antropólogo. São Paulo: UNESP, 2010.

PINK, Sara. The Future of Visual Anthropology.Engaging the senses. Disponível em: https://stosowana.files.wordpress.com/2010/09/sarah-pink-future-of-visual-anthropology-1.pdf Acesso em: 13.08.21.

PRADO, Danda. Ser esposa. A mais antiga profissão. São Paulo: Brasiliense, 1979.

SALOMON, Délcio Vieira. Como Fazer Monografia. 9 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

SAMAIN. Etienne; MENDONÇA, João M. de. Entre a Escrita e a Imagem. Diálogos com Roberto Cardoso de Oliveira. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, 2000, v.43.n.1. p.185 – p. 236.

SILVA, Nilza Iraci. As mulheres negras e as formas de indicadores sensíveis. In: VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (orgs). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: SESC, 2013.

SOUZA, Andréa Carla Mendonça de; CARDOSO, Maria Grazia Cribari. Orixás à mesa em Recife e Olinda. Recife: Top , 2011.

THIOLLENT, Michel. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. 5 ed. São Paulo: Polis, 1987.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Sistema de Bibliotecas. Relatórios: UFRPR, 2001.

XAVIER, Lúcia; WERNECK, Jurema. Mulheres e trabalho: o que mudou para as mulheres negras no mercado de trabalho? In: VENTURI, Gustavo; GODINHO, Tatau (orgs). Mulheres Brasileiras e Gênero nos Espaços Público e Privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: SESC, 2013.

Downloads

Publicado

2024-05-13

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Reflexões sobre o processo de produção da hipermídia na pesquisa antropológica. Revista Aurora, [S. l.], v. 17, p. e024004, 2024. DOI: 10.36311/1982-8004.2024.v17.e024004. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/13030.. Acesso em: 14 jun. 2024.