Tempo e capital

uma breve ontologia da moderna dominação social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2020.v13n1.p9-36

Palavras-chave:

Tempo, Capital, Valor, Historicidade

Resumo

Há milênios, a humanidade vem-se perguntando sobre a natureza do tempo. Das mais remotas civilizações até a atualidade, o tempo tem sido objeto de curioso fascínio e contemplação. Porém, sua existência social, não obstante sua intangibilidade, torna-se cada vez mais presente em nossos dias. Cumprir prazo, cronometrar tarefas, delimitar durações; a vida cotidiana nos exige, progressivamente, uma aceleração das atividades que desempenhamos aliada à racionalização e fragmentação do próprio devir. Vários autores contemporâneos, como Elias, dedicaram-se a investigar sua natureza social. Contudo, conceberam-na, abstratamente, como uma convenção simbólica de aferição e ordenamento dos acontecimentos, desconsiderando os processos que o levam a assumir seu caráter de dominação no seio da sociedade burguesa. Assim, este artigo procura estabelecer um resgate ontológico do tempo ante à função que exerce no interior do modo de produção capitalista, cujo atual contexto neoliberal subjuga-nos aos ininterruptos ritmos laborais da acumulação.

Submetido em: 04/04/2020
Aceito em: 24/08/2020

Biografia do Autor

  • Cíntia Medina, Universidade de São Paulo

    Doutoranda em História Social pela Universidade de São Paulo. Pesquisadora e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento d Pessoal de Nível Superior (CAPES), com ênfase nos estudos sobre a história e os impactos socioeconômicos do modo de produção capitalista contemporâneo sob a esfera da produção cultural.

  • Adriano Parra, Universidade Federal do ABC

    Mestre em Planejamento e Gestão do Território pela Universidade Federal do ABC, com ênfase nos estudos sobre as relações entre a cultura material, o mundo do trabalho e suas manifestações no território.

Referências

ADORNO, Theodor W. Industria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

AGOSTINHO, Santo. Bispo de Hipona. Confissões. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

ALVES, Giovanni. Trabalho, subjetividade e lazer. In: PADILHA, Valquíria. Dialética do lazer. São Paulo: Cortez, 2006. p. 19-49.

ANTUNES, Ricardo. O caracol e sua concha. São Paulo: Boitempo, 2005.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, v. I, 1994.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, v. I, 1986.

CANTOR, Renán V. A expropriação do tempo no capitalismo atual. In: ANTUNES, Ricardo. Riqueza e miséria do trabalho no Brasil IV. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 45-61.

CARCANHOLO, Marcelo Dias. Crise econômica atual e seus impactos para a organização da classe trabalhadora. Aurora, Marília, p. 1-10, agosto 2010.

CONGRESO CONSTITUYENTE DE MÉXICO. Constitución Política de los Estados Unidos Mexicanos. México: Archivo General de la Nación, 1917.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

DUAYER, Mário; MEDEIROS, João Leonardo. Marx, estranhamento e emancipação: o caráter subordinado da categoria da exploração na análise marxiana da sociedade do capital. Revista de Economia, Curitiba, v. 34, n. 4, p. 151-161, 2008.

DUMAZEDIER, Joffre. Sociologia empírica do lazer. São Paulo: Perspectiva, 1979.

EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 13ª. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HERÓDOTO. História. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, v. II, 2017.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: 1914-1991. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

HOBSBAWM, Eric. A era do capital, 1848-1875. 20ª. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2013b.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios. 16º. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2013c.

LAFARGUE, Paul. O direito à preguiça. São Paulo: Edipro, 2016.

LAÊRTIOS, Diôgenes. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Brasília: Editora UnB, 2008.

LEFEBVRE, Henri. Vida cotidiana no mundo moderno. Lisboa: Ulisseia, 1969.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

LIVERANI, Mario. Antigo Oriente: história, sociedade e economia. São Paulo: Edusp, 2020.

MAFFESOLI, Michel. O que o lazer se torna na era da globalização? In: WORLD LEISURE ORGANITAZION; SESC SÃO PAULO; ESCOLA DE ARTES CIÊNCIAS E HUMANIDA¬DES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Anais do Congresso Mundial de Lazer 2018: lazer sem restrições. São Paulo: Sesc São Paulo, 2019. p. 320-338.

MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, Karl.O capital: crítica da economia política : livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2017a.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política : livro III : o processo global da produção capitalista. São Paulo: Boitempo, 2017b.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política : livro II: o processo de circulaçlão do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARX, Karl. Resoluções do Congresso de Genebra (1866). In: MUSTO, Marcelo. Trabalhadores, uni-vos!. São Paulo: Boitempo, 2014. p. 103-108.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política : livro I. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

O GLOBO. Relógio britânico é o mais preciso do mundo. O Globo - Ciência, 2011. Disponivel em: <https://oglobo.globo.com /sociedade/ciencia/relogio-britanico-o-mais-preciso-do-mundo-2671334>. REED, John. México insurgente. São Paulo: Boitempo, 2010.

REQUIXA, Renato. O lazer no Brasil. São Paulo: Brasileiense, 1977.

ROSSO, Sadi Dal. O ardil da flexibilidade. 1ª. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestimulo e o inicio do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo; SCHWARTZ, Vanessa R. O cinema e a invenção da vida moderna. 2ª. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2004. p. 95-123.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

TAYLOR, Frederick W. Princípios de administração científica. São Paulo: LTC, 2019.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em comum. São Paulo: Cia. das Letras, 1998.

Downloads

Publicado

2021-03-22

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

Tempo e capital: uma breve ontologia da moderna dominação social. Revista Aurora, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 9–36, 2021. DOI: 10.36311/1982-8004.2020.v13n1.p9-36. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/10046.. Acesso em: 15 jun. 2024.