Altas Habilidades/Superdotação e Interseccionalidade entre gênero, raça e classe social

uma problematização inicial

Autores

  • Patrícia Neumann Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

DOI:

https://doi.org/10.36311/2358-8845.2020.v7n1.p37

Palavras-chave:

Altas Habilidades/Superdotação, Gênero, Raça, Classe social, Educação

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar a relação entre altas habilidades/superdotação e a intersecção entre gênero, raça e classe social. O método foi documental por meio de análise de conteúdo da obra Quarto de Despejo (1960), escrito por Carolina Maria de Jesus. Os resultados mostram o conteúdo de extrema pobreza, negligência de direitos fundamentais, violências perpetradas por homens, mulheres e crianças, alcoolismo, a presença da leitura e escrita e percepções de Carolina da própria vida e do meio social. Considera-se que os marcadores sociais de gênero, raça e classe social têm papel central na marginalização e consequente não desenvolvimento de habilidades e potenciais. Ao oportunizar chances para o desenvolvimento dos potenciais das pessoas com AH/SD, toda a sociedade se beneficia, pois os ganhos da inclusão são para todas e todos. Além disso, é necessário considerar a realidade sócio-histórica do Brasil na identificação, na avaliação e no atendimento educacional das AH/SD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Neumann, Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO

Psicóloga, mestra em educação e pesquisadora em altas habilidades/superdotação dentro do Grupo de Estudo e Pesquisa Interdisciplinar em desenvolvimento humano e Educação (GIEDH) na Unicentro/PR vinculado ao departamento de pedagogia (DEPED). Acadêmica do curso de filosofia na Unicentro.

Downloads

Publicado

2020-06-21

Edição

Seção

Artigos