Da mercadoria ao capital fictício: reificação permanente

Autores

  • Rafael Del’Omo Filho

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2013.v6n2.3046

Palavras-chave:

Fetiche, reificação, capital, Marx,

Resumo

A reificação das relações sociais aparece em Marx a partir do desenvolvimento da contradição imanente à mercadoria em ser valor de uso e valor, contradição que só se eleva a uma forma superior com o desenvolvimento do dinheiro em sua plenitude. O fetichismo está, assim, diretamente relacionado ao desenvolvimento da forma valor e acompanha seu movimento. Acompanhamos esse processo nos livros I e III de O Capital, utilizando, eventualmente, algumas passagens dos Grundrisse, partindo das formas mercadoria e dinheiro em que aparecem seus respectivos fetichismos. Conforme se desenvolvem as formas mais abstratas do valor com o capital portador de juros, também a reificação assume uma forma superior seguindo até o máximo de dissociação do processo de produção efetivo com o capital fictício quando o capital se autonomiza de si mesmo como valor capaz de reproduzir a si próprio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Edição

Seção

Miscelânea