Segregação ou miscigenação
PDF

Palavras-chave

Eugenia
Boletim de eugenia
Miscigenação
Racismo
Segregação

Como Citar

JACINO , R.; GOES, W. L. Segregação ou miscigenação: os dilemas da eugenia no Brasil nas primeiras décadas do Século XX. Revista Aurora, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 131–154, 2022. DOI: 10.36311/1982-8004.2022.v15.n1.p131-154. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/13309. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O movimento eugenista nasceu no final do século XIX, na Inglaterra, tendo como principal protagonista Francis Galton (1822-1911); ao Brasil, chegou na passagem do século XIX para o XX, mas ganhou capilaridade a partir do protagonismo de Renato Kehl (1889-1974). Os partidários da eugenia acreditavam na sua efetivação para eliminar os grupos que apresentavam comportamentos anormais, por meio de políticas de controle de natalidade, criação de espaços de segregação, eliminação física e outros métodos. O presente artigo tem como finalidade discorrer sobre os fatores que, de acordo com a história da eugenia, propiciaram o seu nascimento na Europa e EUA. No Brasil, buscar-se-á demonstrar que embora a eugenia tenha tido receptividade por parte dos intelectuais, médicos e aqueles alinhados com os preceitos eugênicos, constata-se que ela foi um mecanismo fundamental para objetivar a segregação, a miscigenação e a eliminação dos negros/as no interior da sociedade brasileira. Tais ações foram realizadas para se constituir um povo brasileiro que, ao juízo dos eugenistas, deveria ser branco e, ao mesmo tempo, responder às transformações que o país estava sofrendo  em um contexto de modernização. Dessa forma, o ideário dos eugenistas era reverberado nos artigos publicados nos “Boletins de Eugenia”, que tiveram ampla circulação no Brasil entre os anos de 1929 e 1933.

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2022.v15.n1.p131-154
PDF

Referências

ARBEX, Daniela. Holocausto brasileiro. São Paulo: Geração Editorial, 2013.

BEIGUELMAN, B. Genética e Ética. In: Ciência e Cultura (Revista da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência). 42(1): Janeiro de 1990. 61-69. Disponível em: https://www2.icb.ufmg.br/grad/genetica/geneticaeetica.pdf . Acesso em 06 de jun. de 2021.

BERNARDO, J. Labirintos do fascismo. Tese (Doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 1998).

BERNARDO, J. Natureza e Nazismo. Disponível em: <http://www.afoiceeomartelo.com.br/posfsa/index.php?id=Autores&aut=Biondi,%20Aloysio>. Acesso em: 13 de abr. 2022

BLACK, E. A guerra contra os fracos – A eugenia e a campanha norte-americana para criar uma raça superior. São Paulo: A Girafa Editora, 2003.

BLACK, E. IBM e o Holocausto: A aliança estratégica entre a Alemanha Nazista e a mais poderosa empresa americana. Rio de Janeiro: Editora Campus Ltda., 2001.

CONT, V. Del. Francis Galton: eugenia e hereditariedade. Scientle Studia, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 201-218, 2008.

CRUZ. Rodrigo Andrade da. Oito votos contra um: o desenvolvimento da ciência eugenista nos Estados Unidos. https://www.13snhct.sbhc.org.br/resources/anais/10/1355919745_ARQUIVO_Oitovotoscontraum.pdf

DIWAN, P. Entre Dédalo e Ícaro: cosmismo, eugenia e genética na invenção do transhumanismo norte-americano (1939-2009). Doutorado apresentado no Departamento de História/Programa de História Social. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2021.

DIWAN, P. A raça pura – uma história da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Contexto, 2007.

DARWIN, C. Origem das espécies. São Paulo: Editora Escala, 2009.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. (1933) 19a. ed. Rio de Janeiro: José Olimpio. 1994.

GALTON, Francis. Inquiries into Human Faculty and Its Development. First electronic edition, 2001. https://galton.org/books/human-faculty/text/galton-1883-human-faculty-v4.pdf

GALTON, F. Herancia y eugenesia. Madrid: Alianza Editorial, 1988.

GOBINEAU, Arthur. The Inequality of human races. (1855). London:William Heinemann.1915. https://archive.org/details/inequalityofhuma00gobi

GÓES, Weber Lopes. Segregação e Extermínio: o eugenismo revisitado na capital de São Paulo (2004-2017). Tese de doutorado, defendida junto ao Programa de Pós Graduação em Política Econômica Mundial da Universidade Federal do ABC. 2021

GÓES, Weber Lopes. Juliano Moreira: um homem à frente de seu tempo. In: Revista Reconexão Periféricas. N. 5 – Setembro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2019. 4-7 pp.

GÓES, Weber Lopes. Racismo e eugenia no pensamento conservador brasileiro: a proposta de povo em Renato Kehl. São Paulo: LiberAres, 2018.

GREOUILLEAU, Oliver-Pétré. A história da escravidão. São Paulo: Boitempo, 2009.

HAECKEL, Ernesto. História da Creação dos Sêres Organaisados segundo as Leis Naturaes. Porto: Lello & Irmão. 1961

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. (1936) 17a. ed. Rio de Janeiro: 1987

JACINO. Ramatis. O Branqueamento do Trabalho. São Paulo: Nefertiti. 2008

LUKÁCS, G. El Asalto a La Razón: La trayetotia del irracionalismo desde Schelling hasta Hitler. México Buenos Aires: Fundo de Cultura Económica, 1959.

MAYER, A. J. A força da tradição: a persistência do Antigo Regime. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MOURA, C. As injustiças de Clio: O negro na historiografia brasileira. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1990.

MURAD, M. Sociologia da Educação Física – diálogos, linguagens do corpo e esportes. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

PAIVA, Vanilda. Oliveira Vianna: Nacionalismo ou Racismo? Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1978.

PEREIRA, Ana Leonor Dias da Conceição. Eugenia em Portugal. Separata da Revista de História das Ideias, Vol. 20. Coimbra: Faculdade de Letras. 1999.

PEREIRA, Ana Leonor Dias da Conceição. Darwin em Portugal: 1865-1914 (Tese de doutorado) Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/658

PICHOT, A. A sociedade pura: de Darwin a Hitler. Porto Alegre: Instituto Piaget, 2000.

PICHOT, A. O eugenismo: geneticistas apanhados pela filantropia. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

REIS, J. R. F. Higiene mental e eugenia: o projeto de “regeneração nacional” da Liga Brasileira de Higiene Mental (1920-30). Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências e Letras, Universidade de Campinas, Campinas, 1994.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870- 1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

STEPAN, N. L. A hora da Eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

TODOROV, Tzvetan. Conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1983.

VIANNA. Oliveira. Instituições políticas brasileiras. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1987.

VIANNA. Oliveira. Evolução do povo brasileiro. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora, 1956.

VIANNA. Oliveira. Populações meridionais do Brasil. Rio de Janeiro: Livraria José Olímpio Editora, 1952. v. I.

VIANNA. Oliveira. Raça e assimilação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1934.

WEGNER, Robert. Dois geneticistas e a miscigenação. Octavio Domingues e Salvador de Toledo Piza no movimento eugenista brasileiro (1929-1933) https://www.scielo.br/j/vh/a/M5wjvmdn4QYV9Y9t9JL3bhx/abstract/?lang=pt#

FONTES

Arquivo do CPD/DOC – Fundação Getúlio Vargas - FGV Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/LEIS%20ADOLFO%20GORDO.pdf.

Boletim de Eugenia (RJ) - 1929 a 1932. Disponível em: http://hemerotecadigital.bn.br/acervo-digital/Boletim-de-Eugenia/159808

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.