A EXTENSÃO DA RACIONALIDADE ECONÔMICOPRIVATÍSTICA AO CONHECIMENTO PRODUZIDO PELA SUBJETIVIDADE EMANCIPADA: Paradoxo da modernidade

Autores

  • GABRIEL CUNHA SALUM
  • JOSÉ GERALDO ALBERTO BERTONCINI POKER

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2010.v4n1.1253

Resumo

O presente artigo buscou apresentar um estudo sobre as relações sociais em torno da produção, circulação e eventual possibilidade de apropriação do conhecimento nos sistemas sociais do mundo pré-moderno e no sistema de organização social da modernidade ocidental capitalista. Neste universo específico de relacionamentos, destacou-se, também, o papel paradoxal da racionalidade na medida em que serviu à emancipação do conhecimento dos instrumentos de controle do período pré-moderno ao mesmo tempo em que favoreceu a construção de novas amarras forjadas na modernidade ocidental a partir do Direito moderno, inserindo o saber no domínio da lógica econômico-privatística da empresa capitalista por meio da propriedade intelectual. A investigação foi elaborada a partir da revisão bibliográfica de obras especializadas relacionadas ao tema. Concluiu-se a existência de um paradoxo na dinâmica do binômio sociedade e conhecimento cuja causa está relacionada aos desdobramentos da racionalidade no desenvolvimento da civilização ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Edição

Seção

Miscelânea