O consenso de Washington no Brasil

estabilização conservadora e estagnação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2020.v13n1.p37-58

Palavras-chave:

Neoliberalismo, Consenso de Washington, Macroeconomia, Estagnação Econômica

Resumo

Desde a década de 1970, diversos países da América Latina passam a aderir as políticas econômicas oriundas do pensamento neoliberal, inicialmente o Chile, com um maior grau de “experimentação” e em meio a uma ditadura. Posteriormente, principalmente após a produção do documento intitulado “Consenso de Washington” esse pensamento econômico passa a imperar na região. O Brasil, diferente do Chile, foi um dos últimos países praticar políticas embasadas nesse pensamento e justamente após o processo de democratização, o que nos leva a questão de quais os impactos do consenso de Washington no Brasil. Dentre as hipóteses, temos a estabilização de índices macroeconômicos específicos e maior abertura econômica. O presente artigo tem como objetivo detalhar os reflexos da adesão ao neoliberalismo na política econômica e os impactos destas políticas na estrutura brasileira.

Submetido em: 11/06/2020
Aprovado em: 29/06/2020

Biografia do Autor

  • Vinícius Rezende Carretoni Vaz, Universidade de São Paulo

    Doutorando Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina; Ciências Sociais (interdisciplinar), Ciência Política, Economia, História, Relações Internacionais Economia Política; Política Internacional; Estudos sobre América Latina

  • Edgard Monforte Merlo, Universidade de São Paulo

    Professor vinculado a Universidade de São Paulo (USP) na Faculdade de Economia e Administração de Ribeirão Preto e como Docente no Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina (PROLAM).

Referências

BELLUZZO, Luiz Gonzaga de Mello. A financeirização do capitalismo e a geração de pobreza, Cadernos do Desenvolvimento, Ano. 2, n.3 Rio de Janeiro : Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2007

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A crise da América Latina: Consenso de Washington ou crise fiscal?. Pesquisa e planejamento econômico, v. 21, n. 1, p. 3-23, 1991.

BRESSER-PEREIRA, Luiz. Carlos. A construção Política do Brasil: Sociedade, Economia e Estado desde a Independência. São Paulo: Editora 34, 2014.

BRESSER-PEREIRA, Luiz. Carlos. O Colapso de uma Aliança de Classes: a burguesia e a crise do autoritarismo tecnoburocrático. São Paulo, Brasiliense, 1978.

CAMARGO. J. M. Evolução Recente da Economia Brasileira e o Processo de Desindustrialização. In: CORSI, F. L, ; CAMARGO, J. M. ; SANTOS, A.; VIEIRA, R.. (Org.). Economia e Sociedade: o Brasil e a América Latina na conjuntura de crise do capitalismo global. ed. Cultura Acadêmica. pp.257-274, 2014. pp.237-256.

CARCANHOLO M. D. Inserção externa e vulnerabilidade da economia brasileira no governo Lula in Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010 Garamond, Rio de Janeiro, 2010.

CARNEIRO. R. M. Desenvolvimento e Crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo, Ed. Unesp 2002.

CHESNAIS F. As dívidas ilegítimas: quando os bancos fazem mão baixa nas políticas públicas, Ed. Temas e Debates, Lisboa, 2012.

CORDEN W. M.; NEARY J. P. Booming Sector and De-industrialisation in a Small Open Economy. The Economic Journal, Oxford, v.92, n.368, p.825-848, 1982.

DE PALMA, J. G. Quatro fontes de desindustrialização e um novo conceito de doença holandesa. In: Conferência De Industrialização, Desindustrialização E Desenvolvimento. São Paulo: FIESP; IEDI, ago. 2005.

DINIZ. E.; BOSCHI R. Empresários, Interesses e Mercado: Dilemas do desenvolvimento no Brasil, Belho Horizonte :Editora UFMG Rio de Janeiro: IUPERJ, 2004.

FEIJÓ, C. A.; CARVALHO, P. G. M.; ALMEIDA, J. S. G. Ocorreu uma desindustrialização no Brasil? Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. Discussão IEDI, 2005.

FILGUEIRAS, L. História do Plano Real. Segunda edição São Paulo: Boitempo, 2003.

FURTADO, C. Em Busca De Novo Modelo: Reflexões Sobre a Crise Contemporânea. 2ª Ed., Rio De Janeiro, Paz e Terra, 2002.

FURTADO, C. O Brasil pós-milagre. Rio de Janeiro , Paz e Terra, 1981.

GONÇALVES, R. Desenvolvimento às Avessas: Verdade, má-fé e ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. LTC Rio de Janeiro, 2013.

GONÇALVES, R. Vagão Descarrilhado: O Brasil e o futuro da economia global. Rio de Janeiro, Ed. Record, 2002.

HARVEY, D. O Enigma do Capital e as crises do capitalismo. Boitempo: São Paulo, 2010.

HARVEY, D. O novo Imperialismo. São Paulo, Loyola, 2005.

LEÃO, R. de A. R; VAZ, V. R.C. O novo desenvolvimentismo: limites e possibilidades frente ao debate atual. Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais, n. 27, jul/dez 2019, pp.167-194.

MAGALHÃES J. P. R. Estratégias e Modelos de Desenvolvimento - in Os anos Lula: contribuições para um balanço crítico 2003-2010 - Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2010 pp.19-34.

MAZIERO, Wilson. A auditoria da dívida pública como ferramenta eficaz para a prestação dos serviços de saúde. Disponível em: <https://www.auditoriacidada.org.br/wp-content/uploads/2016/01/MAZIERO-Wilson.-A-auditoria-da-d%c3%advida-p%c3%bablica-como-ferramenta-eficaz-para-a-presta%c3%a7%c3%a3o-dos-servi%c3%a7os-de-sa%c3%bade.-Bras%c3%adlia-2015.pdf> Acessado em: 20/03/2020.

O CAMPO, José Antonio; PARRA, A. M. Explaining the dual divergence: Sucessess and collapses in the developing world since 1980.

Economic Growth with Equity: Challenges for Latin America, 2006.

OLIVA, Carlos, Los Estados Unidos, América Latina y el Caribe: del neopanamericanismo al sistema americano del siglo XXI, in OLIVA Carlos & AYERBE Luis; Los Estados Unidos, Amperica Latina y El Caribe: los outros senderos del ALCA,Cultura Acadêmica, 2006.

PIRES M. C. Os sucessivos e fracassados planos de combate à inflação: Cruzado, Bresser-Pereira, Arroz com Feijão, Verão e Collor in: PIRES, M. C. Economia Brasileira: da colônia ao governo Lula, São Paulo, Saraiva, 2010.

POULANTZAS N. As Classes Sociais no Capitalismo de Hoje. Zahar, São Paulo, 1978.

RAMOS L.; REIS J. G. A. Emprego no Brasil nos Anos 90, Texto para discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Rio de Janeiro, 1997.

RICARDO, David. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SADER E. A vingança da história. São Paulo: Boitempo, 2007.

SALLUM jr, B. O Brasil Sob Cardoso: neoliberalismo e desenvolvimentismo. São Paulo: Tempo Social, 1999.

SAMPAIO Jr., Plínio de Arruda. Entre a nação e a barbárie: os dilemas do capitalismo dependente em Caio Prado, Florestan Fernandes e Celso Furtado. Petrópolis: Vozes, 1999.

SICS, João. Blindando a economia brasileira: existe alternativa aos programas do FMI? in SICSÚ, JOÃO; DE PAULA L. F E MICHEL R., orgs. Novo-Desenvolvimentismo. Um projeto nacional de crescimento com equidade social Barueri: Manole, Rio de Janeiro: Fudação Konrad 2005.

SICSÚ J.,VIDOTTO C. Administração fiscal no Brasil e Taxa de juros in Arrecadação de onde vem? E gastos públicos para onde vai? org. SICSÚ j. Boitempo: São Paulo, 2007.

SINGER, P. O Brasil na Crise: perigos e oportunidades. Contexto: São Paulo, 1999.

SINGER. P. A Crise do Milagre: Interpretação Crítica da Economia Brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

SQUEFF, G. C. Desindustrialização: Luzes e Sombras no Debate Brasileiro. Texto para discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília 2012.

WOLF, M. A Reconstrução do Sistema Financeiro Global. São Paulo: Elsevier, 2009.

Downloads

Publicado

2021-03-22

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

O consenso de Washington no Brasil: estabilização conservadora e estagnação. Revista Aurora, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 37–58, 2021. DOI: 10.36311/1982-8004.2020.v13n1.p37-58. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/10334.. Acesso em: 15 jun. 2024.