O Consenso de Washington no Brasil

Estabilização Conservadora e Estagnação

Autores

  • Vinícius Rezende Carretoni Vaz Universidade de São Paulo (USP)
  • Edgard Monforte Merlo Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2020.v13n1.p37-58

Palavras-chave:

Neoliberalismo, Consenso de Washington, Macroeconomia, Estagnação Econômica

Resumo

Desde a década de 1970, diversos países da América Latina passam a aderir as políticas econômicas oriundas do pensamento neoliberal, inicialmente o Chile, com um maior grau de “experimentação” e em meio a uma ditadura. Posteriormente, principalmente após a produção do documento intitulado “Consenso de Washington” esse pensamento econômico passa a imperar na região. O Brasil, diferente do Chile, foi um dos últimos países praticar políticas embasadas nesse pensamento e justamente após o processo de democratização, o que nos leva a questão de quais os impactos do consenso de Washington no Brasil. Dentre as
hipóteses, temos a estabilização de índices macroeconômicos específicos e maior abertura econômica. O presente artigo tem como objetivo detalhar os reflexos da adesão ao neoliberalismo na política econômica e os impactos destas políticas na estrutura brasileira.

Submetido em: 11/06/2020
Aprovado em: 29/06/2020

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Rezende Carretoni Vaz, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorando Programa de Pós-Graduação Integração da América Latina; Ciências Sociais (interdisciplinar), Ciência Política, Economia, História, Relações Internacionais Economia Política; Política Internacional; Estudos sobre América Latina

Edgard Monforte Merlo, Universidade de São Paulo (USP)

Professor vinculado a Universidade de São Paulo (USP) na Faculdade de Economia e Administração de Ribeirão Preto e como Docente no Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina (PROLAM).

Downloads

Publicado

2021-03-22

Edição

Seção

Dossiê