AMERICANISMO E FORDISMO: A REVOLUÇÃO PASSIVA NOS ESTADOS UNIDOS

Autores

  • Felipe Alexandre Silva de SOUZA

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2014.v8n01.4707

Palavras-chave:

EUA. Americanismo. Fordismo. Revolução Passiva.

Resumo

Este artigo tem o objetivo utilizar a categoria de revolução passiva desenvolvida por Antonio Gramsci para problematizar alguns dos principais acontecimentos históricos ocorridos nos Estados Unidos da América na primeira metade do século XX — a saber, a implementação do fordismo na produção industrial, a consolidação do chamado american way of life e a destruição dos movimentos operários de esquerda. A hipótese é que o conjunto desses acontecimentos pode ser caracterizado como uma revolução-restauração ou uma revolução passiva, que reorganizou as relações sociais nos EUA, com o objetivo de proporcionar maior
eficiência ao modo de produção capitalista e expandir as taxas de lucro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Alexandre Silva de SOUZA

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2015-02-13