Reflexões sobre a construção da identidade nacional a partir dos discursos de fundação da liga da defesa nacional
PDF

Palavras-chave

Liga da Defesa Nacional
Identidade
Nacionalismo e Serviço Militar Obrigatório

Como Citar

Reflexões sobre a construção da identidade nacional a partir dos discursos de fundação da liga da defesa nacional. Revista Aurora, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 83–110, 2013. DOI: 10.36311/1982-8004.2013.v7n1.3398. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/3398.. Acesso em: 17 jul. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo problematizar a representação da identidade nacional, segundo os integrantes da Liga da Defesa Nacional, entre o final da I Guerra Mundial até a Revolução de 1930, a qual propõe um Projeto de Defesa, mas nele implicando um Projeto de Nação. Esta abordagem tem, como ponto de partida, os discursos proferidos por Olavo Bilac, na fundação da referida entidade, em 1916, identificando, neles, a tentativa da confluência de interesses, norteada pelo poeta, para um Projeto Nacional, baseado, inicialmente, no Serviço Militar Obrigatório, desdobrando-se em uma proposta de Instrução Primária (alfabetização) à população, como estratégias para a construção da identidade nacional. Tal Projeto tinha como objetivo propor a Unidade Nacional, por meio da centralização de Políticas de Estado pelo Governo Federal, objetivando a futura ocupação do espaço geográfico do país, conforme sua concepção própria de nacionalismo e cidadania. Em suma, procuraremos demonstrar, em nossa hipótese, que o objetivo em relação à fundação da Liga de Defesa Nacional, em 1916, era construir um projeto de modernização conservadora do Estado Brasileiro, momento em que os militares, juntamente com os civis, atuaram como Partido Militar, enquanto possibilidade histórica factual.
PDF

Referências

ANDERSON, Benedict. Nação e consciência nacional. Tradução: Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Ática, 1989.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. Tradução: Denise Bottman. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

APPADURAI, Arjun. Soberania sem territorialidade: notas para uma geografia pós- modernacional. Novos Rumos CEBRAP, São Paulo, no 49, 1997, p. 33-46

BHABHA, Homi. O Local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BILAC, Olavo. Últimas Conferências e Discursos. São Paulo: Livraria Francisco Alves, 1924. 140 p.

BILAC, Olavo. A Defesa Nacional (Discursos). Rio de Janeiro: Ed. Biblioteca do Exército, 1965. 144 p.

BARTH, Fredrik. O Guru, O Iniciador e Outras Variações Antropológicas (organização de Tomke Lask) Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BOTELHO, A. Aprendizado do Brasil: a nação em busca dos seus portadores sociais. Campinas: UNICAMP, 2002.

BRASIL. Ministério da Defesa. História do Serviço Militar. Disponível em: <http://www.defesa.gov.br/smo/História>.Acesso em: 15 fev.2008.

BRASIL. Decreto no 57.654, de 20 de janeiro de 1966. Regulamenta a lei do serviço Militar (Lei no 4.375, de 17 de agosto de 1964), retificada pela lei no 4.754, de 18 de agosto de 1965. Disponível em: <http://www.dgp.eb.mil.br/normas/r199.htm>.Acesso em: 25 abr.2008.

BRANDÃO, Antonio Adelino M. Da Silva. Olavo Bilac e o serviço militar: O homem, o artista, o patriota. Rio de Janeiro: Editora Biblioteca do Exército, 1969. 66p.

BRASIL BANDECCHI, Pedro. A Liga Nacionalista. São Paulo: Parma, 1980

BRASIL BANDECCHI, Pedro. A Bucha a Maçonaria e o espírito liberal. São Paulo: Livraria Teixeira, 1978

CARDOSO, Vicente Licínio. À Margem da história da República. Tomo I. Biblioteca do Pensamento Político Republicano. Brasília: Editora UNB, 1981.

CARDOSO, Vicente Licínio. À Margem da história da República. Tomo II. Biblioteca do Pensamento Político Republicano. Brasília: Editora UNB, 1981.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

CARVALHO, José Murilo de. As Forças armadas na primeira república: O poder desestabilizador. In: FAUSTO, Boris. História Geral da Civilização Brasileira - Tomo III- O Brasil Republicano, 2o Volume - sociedade e Instituições. Rio de Janeiro: Difusão Editorial, 1978. 380 p.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Ed. Companhia das Letras, 1987. 196 p.

CARVALHO, José Murilo de. Forças Armadas e Política no Brasil. 2a Edição. Riode Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006. 221 p.

CUNHA, Paulo Ribeiro R. CABRAL Fátima (org.). Nelson Werneck Sodré: entre o sabre e a pena. São Paulo: Editora Unesp, 2006. 357 p.

CUNHA, Paulo Ribeiro R. História Militar do Brasil. In: Silva, Marcos (Org.). Dicionário Crítico Nelson Werneck Sodré. Rio de Janeiro: Ed UFRJ, 2008. p. 189-194.

COELHO, Edmundo Campos. A instituição militar no Brasil: um ensaio bibliográfico. In:Revista BIB, n. 19, pp. 5-19, 1.o sem. 1985.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. Vol. 3. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2000.

FONSECA JÚNIOR, Hermes da. A Escola Superior de Guerra na Política Brasileira: Um Estudo sobre o pensamento militar diante da questão agrária (1949-1964). Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro - RJ, UFRRJ. 1998.

GONZALES, Selma Lúcia de Moura. A territorialidade militar terrestre no Brasil: Os Tiros de Guerra e a estratégia de Defesa. 2008.

Tese (Doutorado em Geografia) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, 2008.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP & A, 2003.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. A fronda pretoriana. In. HOLLANDA, Sérgio Buarque de. O Brasil do Império: do Império à República. Vol. 5. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 1977. 306-347 p.

KRAAY, Hendrik. Repensando o recrutamento militar no Brasil Imperial. Diálogos: Revista do Departamento de História da UEM, Maringá, PR, v. 3, n. 1, 1999. Disponível em: http://www.dhi.uem.br/publicacoesdhi/diaologos/volume01/vol03_atg3.htm Acesso em 20 Jun 2009.

LEITÃO, Luiz Ricardo. Lima Barreto: o rebelde imprescindível/ Luiz Ricardo Leitão. 1a Edição. São Paulo: Expressão Popular, 2006. 112 p.

LEMOS E NETO, Renato Luís do Couto. Benjamin Constant: Vida e Obra. Rio de Janeiro: Editora TOPBOOKS, 1999. 572 p.

LIMA BARRETO, Afonso Henrique. Os Bruzundangas. Rio de Janeiro: Ed Cultura Brasileira, 2003. 80 p.

LIMA BARRETO, Afonso Henrique. Triste fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Editora Moderna, 1984. 112 p. LUDWING, Carlos Antonio. Democracia e Ensino Militar. São Paulo, 1982.

MARX, Karl. Manuscritos Econômicos - Filosóficos. São Paulo: Ed. Boitempo, 2004. 174 p.

MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. Rio de Janeiro: Editora Biblioteca do Exército, 1998. 216 p.

MCCANN, Frank D. Soldados da Pátria – História do Exército Brasileiro 1889-1937. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. 705 p.

MENDES, Fábio Faria. Encargos, Privilégios e Direitos: o recrutamento militar no Brasil nos sérculos XVIII e XIX. In. CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik (Orgs.) Nova História militar brasileira. Rio de Janeiro: FGV, Bom Tempo, 2004.

MORAES, João Quartim de. A Esquerda Militar no Brasil. São Paulo: Ed. Expressão Popular, 2005. 238 p.

MORAES, Márcia Cristina de. Jovens Turcos: militarismo e nacionalismo. Uma leitura da revista A Defesa Nacional (1913-1918).

Dissertação de Mestrado Em Ciências Sociais. Faculdade de Filosofia e Ciências – UNESP, Campus Marília, 2004.

OLIVEIRA, Tiago S. A Liga da Defesa Nacional: um projeto de modernização para o Brasil. 2012.207 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, 2012.

OLIVEIRA, Tiago S. CUNHA, Paulo Ribeiro R. da. A formação se um “Cidadão” apto para a convivência em sociedade. In: 3o Encontro de Segurança Pública e Cidadania - Violência e Políticas Públicas de Segurança: pesquisa e ação, 2007, Marília - SP. Anais do 3o Encontro de Segurança Pública e Cidadania - Violência e Políticas Públicas de Segurança: pesquisa e ação. Marília - SP, 2007. v. 1

OLIVEIRA, Tiago S. A defesa do serviço militar, a luz dos discursos de Olavo Bilac. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Sociais). Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Câmpus Marília, 2008.

OLIVEIRA VIANA, Francisco José de. Evolução do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Ed José Olympio, 1956.

OLIVEIRA VIANA, Francisco José de. Populações meridionais do Brasil. 4a Ed. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1973 .

PEIXOTO, Antonio Carlos. Exército e Política no Brasil: Uma crítica dos modelos de interpretação. In: Rouquié, Alain (Org.). Os Partidos Militares no Brasil. Rio de Janeiro: Ed Record, 1980. p. 27-42.

REZENDE, Maria José de. Mudança social e conciliação em Euclides da Cunha. Acta Sientiarim, Maringá, v. 24, n. 1, p. 189-199, 2002b.

REZENDE, Maria José de. Soberania nacional e mudança social em Manoel Bomfim. Cadernos de Estudos Sociais, Receife, v. 18, n. 1, p. 73-92, jan./jun., 2002a.

RODRIGUES, Fernando da Silva. Uma carreira: as formas de acesso à Escola de Formação de Oficiais do Exército Brasileiro no período de 1905 a 1946. Tese de Doutorado em História. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. UERJ, 2008. 268 f

SADER, Emir. Gramsci: poder, política e partido 1a Edição. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2005. 144 p.

SANTOS, Miriam de Oliveira. Um Olhar sobre as Instituições escolares militares brasileiras do fim do século XIX ao início do século XX. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos - RBEP, v88, n 219 p.310-330. maio/ago2007.

SOBRINHO, Barbosa Lima. Presença de Alberto Torres. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

SODRÉ, Nelson Werneck. Formação histórica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1970.

SODRÉ, Nelson Werneck. História militar do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968. 439 p. Revista.“A Defesa Nacional”. Edição no 4, Rio de Janeiro, de 10 de janeiro de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 7, Rio de Janeiro, de 10 de abril de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck.“A Defesa Nacional”. Edição no 9, Rio de Janeiro, de 10 de junho de 1914

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 10, Rio de Janeiro, de 10 de julho de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 12, Rio de Janeiro, de 10 de setembro de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck.“A Defesa Nacional”. Edição no 13, Rio de Janeiro, de 10 de outubro de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck.“A Defesa Nacional”. Edição no 14, Rio de Janeiro, de 10 de novembro de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck.“A Defesa Nacional”. Edição no 15, Rio de Janeiro, de 10 de dezembro de 1914.

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 16, Rio de Janeiro, de 10 de janeiro de 1915.

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 17, Rio de Janeiro, de 10 de fevereiro de 1915.

SODRÉ, Nelson Werneck.“A Defesa Nacional”. Edição no 18, Rio de Janeiro, de 10 de março de 1915.

SODRÉ, Nelson Werneck. “A Defesa Nacional”. Edição no 19, Rio de Janeiro, de 10 de abril de 1915.

TREVISAN, Leonardo. O que todo cidadão deve saber sobre o pensamento militar brasileiro. (Coleção Cadernos de educação política, 6) São Paulo: Global, 1985.

TORRES, Alberto. Organização nacional. 1914. Reimpressão, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1982. 332 p.

TORRES, Alberto.O problema nacional. 1914. Reimpressão, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1982. 320 p.

VERÍSSIMO, José. A educação nacional. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1906.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2013 Revista Aurora

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.downloads##

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.noStats##