A valorização dos aspectos culturais da população como estratégia para melhorar a adesão da comunidade às ações de promoção de saúde e prevenção de doenças
PDF

Palavras-chave

Saúde
Doença
Promoção da Saúde
Cultura

Como Citar

A valorização dos aspectos culturais da população como estratégia para melhorar a adesão da comunidade às ações de promoção de saúde e prevenção de doenças . Revista Aurora, [S. l.], v. 5, p. 9–24, 2021. DOI: 10.36311/1982-8004.2012.v5n0.2360. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/2360.. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

A Estratégia de Saúde da Família (ESF) do Ministério da Saúde visa desenvolver ações de promoção da saúde, prevenção de doenças, tratamento e reabilitação. Na área de promoção da saúde e prevenção de doenças parece haver pouca adesão, por parte da população brasileira, aos programas que envolvem estas ações. Esse artigo discute a importância da valorização dos aspectos culturais em saúde, da população, como estratégia de adesão às ações de promoção de saúde e prevenção de doenças propostas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Brasil. O texto produzido foi baseado em pesquisa bibliográfica que buscou contribuir para a discussão desta temática. Ao final, este trabalho fará algumas considerações e analisará as possibilidades de se repensar a organização dos Serviços, tornando mais efetiva a participação popular nas ações preventivas e de promoção da saúde, propostas pelo SUS.
PDF

Referências

ANDERY, M. A. P. A. et al. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. Rio de Janeiro: EDUC, 1996.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 5. ed . São Paulo: Perspectiva, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.687, de 30 de março de 2006. Aprova a Política de Promoção da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 31 mar. 2006. Seção 1, p.138

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Temático Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. ( Painel de indicadores do SUS, 4).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Saúde do Trabalhador. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. ( Cadernos de atenção básica, 5).

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

CUSTÓDIO, M. I. F. Antropologia e saúde. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 7, n. 82, mar. 2008. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.br/082/82custodio.pdf>. Acesso em: 8 mar. 2010.

EVANS-PRITCHARD. E. E. A bruxaria é um fenômeno orgânico e hereditário. In: ______. Bruxaria, oráculos e magia entre os azande. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 37-55.

GEERTZ, C. Como pensamos hoje: a caminho de uma etnografia do pensamento moderno. In: ______. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.cap. 7, p. 220-245.

GEERTZ, C. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: ______. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. cap. 1, p. 13-41.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

LAPLANTINE, F. Modelo exógeno e modelo endógeno. In:______ Antropologia da doença . São Paulo: Martins Fontes 1991. p. 67-94.

LEAVELL, H. R.; CLARCK, E. G. Medicina preventiva. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1976. LÉVI-STRAUSS, C. A eficácia simbólica. In: ______. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975. p. 215-236.

OLIVEIRA F. A. Antropologia nos serviços de saúde: integralidade, cultura e comunicação. Interface Comunicação Saúde Educação, Botucatu, v. 6. n.10, p. 63-74, fev. 2002.

OLIVEIRA, M. A. C.; EGRY, E. Y. A historicidade das teorias interpretativas do processo saúde-doença. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 34, n. 1, p. 9-15, mar. 2000. OLIVEIRA, R. C. (Org.). Marcel Mauss antropologia. São Paulo: Ática, 1979.

ORTIZ, R. A procura de uma sociologia da prática. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia . São Paulo: Ática, 1983. p. 7-36.

SILVA A, G. R. As origens da medicina preventiva como disciplina do ensino médico. Revista do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 91-4, 1973.

SOARES DA COSTA, C. A. S. Antropologia e saúde: algumas considerações. Contrubuciones a lãs Ciências Sociales, Málaga, n. 4, abr./jun. 2009. Disponível em: <http://www.eumed.net/rev/cccss/04/ casc4.htm>. Acesso em: 8 mar. 2010.

TAYLOR, P. et al. Knowledge attitudes and practices in relation to schistosomiasis in a rural community. Social Sciences & Medicine, Oxford, v. 24, n. 7, p. 607-611, 1987.

TERRIS, M. Conceptos de la promoción de la salud: dualidades de la teoria de la salud publica. In: OPS. Promoción de la salud: una antologia. Washington: OPS, 1996. cap. 37-44.

UCHÔA, E.; VIDAL, J. M. Antropologia médica: elementos conceituais e metodológicos para uma abordagem da saúde e da doença. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 497-504, out./dez. 1994

VIANNA, L. A. C. Processo saúde doença: módulo gestor. [São Paulo], [2010?]. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2012.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2012 Revista Aurora

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.downloads##

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.noStats##