O sentido da revolução brasileira
Revista Aurora - Número 9
PDF

Palavras-chave

Autocracia burguesa
burguesia brasileira
sentido da modernização

Como Citar

DEO, A. O sentido da revolução brasileira. Revista Aurora, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 180–195, 2011. DOI: 10.36311/1982-8004.2011.v5n1.1713. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1713. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Procuramos discutir no presente artigo o caráter da revolução burguesa no Brasil. Para tanto buscamos delinear os elementos essenciais que marcam a particularidade histórica brasileira, demonstrando que tais elementos condicionam a forma de ser do capitalismo no país em sua reprodução sociometabólica, apontando para o elemento de permanência na mudança, marca fundamental do sentido da modernização no Brasil.

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2011.v5n1.1713
PDF

Referências

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho. Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Editorial Boitempo, 2000.

ANTUNES. R. Adeus ao Trabalho? – Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade co mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1995.

BOITO JR., A. Política neoliberal e sindicalismo no Brasil. São Paulo: Xamã, 1999.

BRANDÃO, G. M. Totalidade e determinação econômica. In: Temas de Ciências Humanas. Vol. 1. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1977.

CARODOSO, A. M. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Editorial Boitempo, 2003.

CHASIN, J. O integralismo de Plínio Salgado. Forma de regressividade no capitalismo hiper-tardio. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda., 1978.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre o seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

DEO, A. A consolidação da social democracia no Brasil: forma tardia de dominação política nos marcos do capitalismo de extração prussiano-colonial. Marília: Unesp. Tese de doutoramento em Ciências Sociais, 2011.

DEL ROIO, M. O império universal e seus antípodas: a ocidentalização do mundo. São Paulo: Ícone, 1998.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1987.

FRANCO, M. S. C. Homens livres na ordem escravocrata. - 3. ed. - São Paulo: Kairós Livraria Editora, 1983.

GALVÃO, A. Neoliberalismo e reforma trabalhista no Brasil. Rio de Janeiro: Revan/FAPESP, 2007.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. (6 vols.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GRUPPI, L. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1995. LAMPEDUSA, G. T. O leopardo. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

LESBAUPIN, I. (org.). O desmonte da nação: balanço do governo FHC. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social: os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1979.

MARX, K. Para a crítica da economia política. In: Os Pensadores. Vol. XXXV. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

MARX, K. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. In: Os Pensadores. Vol. XXXV. São Paulo: Abril Cultural, 1974

MARX, K. O capital. Livro I, capítulo VI (inédito). São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1978.

MARX, K. A burguesia e a contra-revolução. São Paulo: Ensaio, 1997.

MARX, K. El Capital – Crítica de la economia política. Tomo III, Livro III, “El proceso de producción capitalista, en su conjunto”. México: Fondo de Cultura Económica, 2000.

MAZZEO, A. C.. Estado e burguesia no Brasil – Origens da autocracia burguesa. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 1989.

MAZZEO, A. C. Sinfonia Inacabada: a política dos comunistas no Brasil. Marília: Unesp/Marília-Publicações, São Paulo: Boitempo, 1999.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Editorial Boitempo, 2002.

MÉSZÁROS, I. O século XXI – Socialismo ou barbárie? São Paulo: Editorial Boitempo, 2003.

NETTO, J. P. FHC e a política social: um desastre para as massas trabalhadoras. In: LESBAUPIN, I. (org.). O desmonte da nação: balanço do governo FHC. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

PORTELLI, H. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

PRADO JR., C. Formação do Brasil Contemporâneo. São Paulo: Brasiliense/Publifolha, 2000.

SANTOS, A. F. J. Posições de classe destituídas no Brasil. In: SOUZA, J. et al. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

SCHWARTZ, R. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000.

SEGATTO, J. A. Política e Literatura em Machado de Assis. In: Novos Rumos, ano 22, no 48, 2007.

SOUZA, J. et al. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2011 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.