Carolina Maria de Jesus
PDF

Palavras-chave

Violência
escrita
gênero

Como Citar

Carolina Maria de Jesus: violência de gênero e sua trajetória. Revista Aurora, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 61–86, 2023. DOI: 10.36311/1982-8004.2023.v16.n2.p61-86. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/15516.. Acesso em: 23 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a trajetória da escritora brasileira Carolina Maria de Jesus, contextualizando sua vida em relação à discussão sobre violência de gênero e a prática da escrita. Carolina, nascida em 14 de março de 1914, destacou-se por suas obras "Quarto de Despejo" e "Diário de Bitita", que oferecem uma visão profunda das complexidades enfrentadas por mulheres negras e marginalizadas no Brasil do século XX.

A análise do artigo destaca como as obras de Carolina Maria de Jesus se tornam um testemunho autêntico de sua experiência, tornando-se uma forma de escrita de si. A narrativa autobiográfica não apenas aborda as adversidades enfrentadas pela autora, mas também lança luz sobre as especificidades da violência de gênero em seu contexto social. Ao utilizar a escrita como meio de expressão, Carolina contribuiu para a ampliação do entendimento sobre as interseccionalidades entre raça, gênero e classe.

O trabalho também explora a escrita, praticada por Carolina Maria de Jesus, como ferramenta transformadora que questiona as estruturas sociais que perpetuam essas violências.

PDF

Referências

ALVES, Uelinton Farias. Introdução. In: JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. São Paulo: SESI-SP editora, 2014.

AURELI, W. Carolina Maria, poetiza preta. Folha da Manhã, São Paulo, 25 fevereiro 1940.

AZEREDO, Edson Guimaraes de. As muitas vidas e identidades de Carolina Maria de Jesus: o uso do biográfico e do autobiográfico no ensino das relações étnico raciais. 2018. 110 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de História) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, 2018.

BERTO, Faria Danila. À BEIRA DO ABISMO: Entre literatura e escrita de si em Clarice Lispector. 2018. 169 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2018.

BERNARDO, Terezinha. Memória em branco e negro: um olhar sobre São Paulo. São Paulo: Educ, 1998.

BONDUKI, Nabil. Crise de habitação e a luta pela moradia no pós-guerra. In: KOWARICK, L. As lutas sociais e a cidade: São Paulo, passado e presente. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

CASTRO, Eliana de Moura; MACHADO, Marília Novais da Mata. Muito bem, Carolina! Biografia da Carolina Maria de Jesus. Belo Horizonte: C/Arte, 2007

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários escritos. 3. ed. rev. ampl. São Paulo: Duas Cidades, 1995, pp. 235-263

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

COSTA, Renata Jesus da. Subjetividades femininas: mulheres negras sobre o olhar de Carolina Maria de Jesus, Maria Conceição Evaristo e Paulina Chiziane. Dissertação (Mestrado em História Social) Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

COSTA, C. E. C. D. Migrações negras no pós-abolição do sudeste cafeeiro (1888-1940). Topoi, Rio de Janeiro, v. 16, n. 30, p. 101-126, jan./jun. 2015.

CONSTÂNCIA, O.; DUARTE, L.; NUNES, I. Escrevivência: a escrita de nós Refl exões sobre a obra de Conceição Evaristo. [s.l: s.n.]. Disponível em: <https://www.itausocial.org.br/wp-content/uploads/2021/04/Escrevivencia-A-Escrita-de-Nos-Conceicao-Evaristo.pdf>.

EVARISTO, Conceição. Gênero e Etnia: uma escre(vivência) da dupla face. In: SCHNEIDER, Liane; MOREIRA, Nadilza Martins de Barros (org). Mulheres no mundo, etnia, marginalidade e diáspora. 2. ed. João Pessoa: Editora do CCTA, 2020.

FARIAS, T. Carolina: uma biografia. Belo Horizonte: Ed. Malê, 2018.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992. pp. 129-160.

JESUS, Carolina Maria de. Meu estranho diário. José Carlos Sebe Bom Meihy e Robert M. Levine (organizadores). São Paulo: Xamã, 1996.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: diário de uma favelada. 10. ed. São Paulo: Ática, 2014.

JESUS, Carolina Maria de. Antologia Pessoal - Carolina Maria de Jesus. Organização de José Carlos Sebe Bom Meihy; [revisão de] Armando Freitas Filho. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996

JESUS, Carolina Maria de. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

MBEMBE, Achille. Políticas da inimizade. Lisboa: Antígona editorial, 2017.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Biopoder, soberania, estado de exceção e política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018.

NEVES, Romildo Rodrigues Junior. Identidade e memória em Diário de Bitita, de Carolina Maria de Jesus: uma “história contada” acerca dos anos de 1920 a 1940, no interior do Brasil. 2019. 156 f. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2019.

PERES, Elena Pajaro. Carolina Maria de Jesus: insubordinação e ética numa literatura feminina de diáspora. In: Assis, Maria Elisabete Arruda de; Santos, Taís Valente dos. (Org.). Memória Feminina: mulheres na história, história de mulheres. 1ed. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2016

Pobreza, fome e desigualdade social: impactos na educação do Brasil. Disponível em: <https://observatoriodeeducacao.institutounibanco.org.br/em-debate/pobreza-fome-e-desigualdade-social-impactos-naeducacao-dobrasilgclid=CjwKCAjwl6OiBhA2EiwAuUwWZcpYIKCJBTB1mPXgeWTLWnUSrRGEMY0heE0WdSuAbGFK8hRHw_kMHxoC2VQQAvD_BwE>. Acesso em: 26 abr. 2023.

SANTOS, Joel Rufino dos. Carolina Maria de Jesus: uma escritora improvável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SOUSA, Germana H. P. D. Carolina Maria de Jesus: o estranho diário da escritora vira lata. Vinhedo: Horizonte, 2012.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MAIA, Glauciene da Costa. Feiticeiros Negros no Grão-Pará (1755-1772). Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Amazonas, Manaus. 2014.

MEIHY, José C. S. B.; LEVINE, Robert M. Cinderela negra: A Saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

MOREIRA, V. M. L. Os anos JK: industrialização e o modelo oligárquico de desenvolvimento rural. In: NETO, J. F.; DELGADO, L. D. A. N. O tempo da experiência .

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista Aurora

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.downloads##

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.noStats##