Entre a interpretação e o programa

revisitando o conceito de revolução passiva em Coutinho e Vianna

Autores

  • Matheus Daltoé Assis Universidade Estadual Paulista (Unesp) image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2023.v16.n1.p47-60

Palavras-chave:

Gramsci, revolução passiva, Carlos Nelson Coutinho, Luiz Werneck Vianna

Resumo

O conceito gramsciano de revolução passiva é um instrumento comumente mobilizado para compreender a realidade político-social do Brasil e seu tortuoso processo de “modernização”. Nesse sentido, o presente trabalho almeja compreender a forma como tal conceito foi utilizado por Luiz Werneck Vianna e Carlos Nelson Coutinho para essa finalidade. Enquanto procedimento metodológico, a pesquisa partiu de uma análise documental sobre essas duas referências do campo gramsciano sobre a discussão do conceito de revolução passiva. Dito isso, considera-se que o referido conceito, como interpretado por Vianna e Coutinho,  demandaria mais modulações que permitissem compreender o caráter colonial e dependente da formação social e política brasileira.

Biografia do Autor

  • Matheus Daltoé Assis, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

    Mestrado em andamento em Ciências Sociais pela Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, bacharel em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campus de Três Lagoas. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9417-2561. E-mail: m.daltoe.a@gmail.com. Este trabalho resulta de pesquisa concomitante aos aprofundamentos proporcionados pela disciplina “Gramsci e a Filosofia da Práxis”, ministrada pelo Prof. Dr. Marcos Del Roio.

Referências

ALIAGA, L. Do sul ao norte: Uma introdução a Gramsci. Marília: Lutas Anticapital, 2021.

ALIAGA, L. Revolução passiva e revolução-restauração: dois conceitos em construção. in: DEL ROIO, M.; GALASTRI, L (org.). Gramsci e a verdade efetiva das coisas. São Paulo: Expressão Popular, 2022.

ALIAGA, L.; Areco, S. Nacionalização Imperfeita: o Conceito de Revolução Passiva e a Formação do Estado no Brasil. Dados, v. 66, n. 4, 2023.

BARATTA, G. As rosas e os cadernos: o pensamento dialógico de A. Gramsci. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

BERTONHA, J.F. Os italianos. São Paulo: Contexto, 2005.

BIANCHI, A. O laboratório de Gramsci: filosofia, história e política.Porto Alegre: Zouk, 2018.

BIANCHI, A. Gramsci entre dois mundos: política e tradução. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

COUTINHO, C. N. Uma nova edição de Gramsci no Brasil. Gramsci e o Brasil,

Juiz de Fora, 1998. Disponível em: https://www.acessa.com/Gramsci/?page=visualizar&id=296. Acesso em: 09 fev. 2022.

DEL ROIO, M. L’influenza della lettura eurocomunista di Gramsci sulla politica del Partito Comunista Brasiliano. in: FRESU,G.; Aliaga, L.; DEL ROIO, M. (orgs.) Gramsci in Brasile: un esempio riuscito di traducibilità filosofica. Milano: Meltemi, 2022.

FRESU, G. Antonio Gramsci, o homem filósofo. São Paulo: Boitempo, 2020.

FRESU, G. Nas trincheiras do ocidente: lições sobre fascismo e antifascismo. Ponta Grossa: UEPG, 2017.

GALASTRI, L. Leituras Gramscianas: história, política e classes sociais. Marília: Lutas Anticapital, 2022.

GOES, C. M. C. Gramsci e a dialética da tradução na América Latina: o caso das revistas Passado y Presente e Presença. Tese (Doutorado em Ciência Política). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2020.

Gramsci, A. Quaderni del Carcere. Edizione critica dell’Istituto Gramsci a cura di V. Gerratana. Torino: Einaudi, [1975] 2014.

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IASI, M. L.; FIGUEIREDO, I. M.; NEVES, V. A estratégia democrático-popular: um inventário crítico. Marília: Lutas Anticapital, 2019.

LIGUORI, G. La tardiva fortuna del concetto di "rivoluzione passiva" (1972-1980). Critica marxista: analisi e contributi per ripensare la sinistra, n. 6, p. 45-56, 2022.

MARX, K. Manuscritos Econômico – Filosóficos e Outros Textos Escolhidos. Os Pensadores. Vol. XXXV. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

MODONESI, M. Revolución pasiva: usos y abusos en América Latina del concepto gramsciano. Gramsciana, v. 2, p. 85-114, 2016.

MOORE JUNIOR, B. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes, 1975.

NEVES, V.. Democracia e socialismo: Carlos Nelson Coutinho em seu tempo. Marília: Lutas Anticapital, 2019.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista/ o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2013.

OLIVEIRA, F. ; BRAGA, R.; RIZEK, C. (orgs.) Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. . São Paulo: Boitempo, 2010.

RIALL, L. The Italian Risorgimento: state, society, and national unification. London: Routledge, 1994.

SANTOS, R. Resenha de: Vianna, Luiz Werneck. A revolução passiva. Iberismos americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997. 222p. Perspectivas, n.22, 1999, pp. 208-288.

VACCA, G. Modernidades Alternativas: o século XX de Antonio Gramsci. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira, 2016.

VIANNA, L.W. A revolução passiva. Iberismos americanismo no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 1997.

VIANNA, L.W. Liberalismo e sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Downloads

Publicado

2023-06-15

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

Entre a interpretação e o programa: revisitando o conceito de revolução passiva em Coutinho e Vianna. Revista Aurora, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 47–60, 2023. DOI: 10.36311/1982-8004.2023.v16.n1.p47-60. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/14930.. Acesso em: 15 jun. 2024.