PENSANDO A CIDADE: Suas contradições e a construção das sociabilidades sob o dilema da insegurança.

Autores

  • ABRAÃO PUSTRELO DAMIÃO
  • SUELI ANDRUCCIOLI FÉLIX

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2010.v4n1.1252

Resumo

Como o mundo a nossa volta é percebido em nossa experiência cotidiana? Seria possível compreender a progressiva auto-segregação dos indivíduos e os receios e temores que acompanham esse movimento por meio da "crescente dos medos" contemporâneos, sob a visão dos moradores das cidades? Até que ponto evitamos enfrentar as várias espécies de medo que pairam sobre nós, nas mais diversas fases de nossa vida na cidade? Esses questionamentos têm sido objetos de estudo de uma gama de intelectuais, da psicologia às ciências sociais, da história à geografia e orientou nossa pesquisa sobre alguns aspectos da ocupação dos espaços urbanos de Marília/SP, sobretudo, dos processos conflituosos e das conseqüentes ações defensivas (segregadoras) a eles creditados. Nosso intuito foi apreender como as condições socioeconômicas e espaciais, e a lógica auto-defensiva dos indivíduos estão interligadas, a partir do processo de urbanização e da dinâmica da cidade, que se reflete em suas transformações e contradições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Edição

Seção

Miscelânea