O colapso da modernização periférica

a fratura brasileira do capitalismo mundial

Autores

  • Fabio Mascaro Querido Universidade Estadual Paulista (Unesp) image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2010.v3n2.1234

Palavras-chave:

Modernidade periférica, Experiência intelectua, Dualidade

Resumo

Desde a gênese da formação social brasileira, a teoria social e a experiência estética nacional assumiram formas variadas na tentativa de adequar os conceitos e as categorias teóricas clássico-européias às características singulares do Brasil. Pretende-se neste ensaio reconstruir alguns elementos da dialética entre as nossas singularidades e o ritmo universal e desigual da acumulação capitalista, assim como sublinhar algumas das formas através das quais nossa experiência intelectual e estética respondeu a ela. Busca-se igualmente versar algumas notas preliminares sobre a importância e o significado dessas questões no mundo atual, quando o próprio processo de modernização, naquele seu sentido clássico (que determinou boa parte da nossa melhor tradição teórica), parece estar se esgotando, a ponto de o ritmo desigual e dualista da nossa modernidade, recheada de grandes bolsões de pobreza, tornar-se enfim uma das expressões mais sintomáticas da fratura social do capitalismo contemporâneo.

Biografia do Autor

  • Fabio Mascaro Querido, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

    Mestrando em Sociologia, Faculdade de Ciências e Letras – Araraquara. FCLAr, UNESP. 14800- 901. Bolsista FAPESP. O presente texto constitui parte específica da investigação mais ampla sobre as conseqüências do esgotamento da modernização e das ideologias do progresso no pensamento social crítico contemporâneo, especialmente na obra de Michael Löwy.

Referências

ADORNO, Theodor. O ensaio como forma. In: Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2003.

ANDERSON, Perry. Modernidade e Revolução. In: Afinidades Seletivas. São Paulo: Boitempo, 2002.

ARANTES, Paulo. Eduardo. A fratura brasileira do mundo. In: Zero à Esquerda. São Paulo: Conrad, 2004.

ARANTES, Paulo. Eduardo. Entrevista. In: NOBRE, Marcos; REGO, José Márcio. Conversas com filósofos brasileiros. São Paulo: Editora 34, 2000.

ARANTES, Paulo. Eduardo. Entrevista a Luciano Pereira. Trans/Form/Ação, São Paulo, 31(2), 2008. pp.7-18.

ARANTES, Paulo. Eduardo. Sentimento da dialética na experiência intelectual brasileira: dialética e dualidade segundo Antonio Candido e Roberto Schwarz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

ARANTES, Paulo. Eduardo. Origens do marxismo filosófico no Brasil: José Arthur Giannotti nos anos 60. In: MORAES, J. Q. (org.). História do marxismo no Brasil. Vol. II. Campinas: Editora da Unicamp, 1995. pp.125-181.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994. pp.222-232.

BENSAÏD, Daniel. Marx intempestivo: grandezas e misérias de uma aventura crítica. Rio de Janeiro: civilização brasileira, 1999.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BOSI, Alfredo. Moderno e modernista na literatura brasileira. In: Temas de Ciências Humanas, n.6. São Paulo, 1979.

CANDIDO, Antônio. Dialética da Malandragem. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n.8, São Paulo, 1970.

FACIOLI, Valentim. O Brasil e o surrealismo (aspectos do campo da produção artística erudita no período de 1920 a 1950). In: Organon: revista do instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Aspectos do Surrealismo. Volume 8, Número 22, 1994. pp.157-182.

JAMESON, Fredric. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2002.

LAHUERTA, Milton. Em busca da formação social brasileira: marxismo e vida acadêmica. In: Perspectivas, São Paulo, 28, 2005. pp.157-186.

LÖWY, Michael. Romantismo e Messianismo. São Paulo: Perspectiva, Edusp, 1990.

LÖWY, Michael. & SAYRE, Robert. Revolta e Melancolia: O romantismo na contramão da modernidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

KURZ, Robert. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. São Paulo: Paz e Terra, 1993. (tradução: Karen E. Barbosa).

OLIVEIRA, Francisco. Crítica da Razão Dualista. O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

RIDENTI, M. Artistas e política no pós-1960. In: RIDENTI, Marcelo; BASTOS, Élide; ROLLAND, Dênis. (org.) Intelectuais e Estado. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006, p. 229-262.

SCHWARZ, Roberto. A importação do romance e suas contradições em Alencar. In: Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas cidades; Editora 34, 2000. pp.33-82.

SCHWARZ, Roberto. Nacional por subtração. In: Que horas são?. Companhia das Letras, SP. 1989a.

SCHWARZ, Roberto. A Carroça, o bonde e o poeta modernista. In: Que horas são?. São Paulo: Companhia das Letras, 1989b.

SCHWARZ, Roberto. As idéias fora do lugar. In: Que horas são?. São Paulo: Companhia das Letras, 1989c.

SCHWARZ, Roberto. Prefácio. In: OLIVEIRA, Francisco. Crítica da Razão Dualista. O ornitorrinco. Boitempo, SP. 2003.

SCHWARZ, Roberto. Um seminário de Marx. In: Seqüências Brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

Downloads

Publicado

2010-08-10

Edição

Seção

Miscelânea

Como Citar

O colapso da modernização periférica: a fratura brasileira do capitalismo mundial. Revista Aurora, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 79–88, 2010. DOI: 10.36311/1982-8004.2010.v3n2.1234. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1234.. Acesso em: 12 jun. 2024.