Movimento operário do ABC paulista (1978-2010)
PDF

Palavras-chave

ABC paulista
Classe operária
Partido dos Trabalhadores
Central Única dos Trabalhadores

Como Citar

MOURA, A. de. Movimento operário do ABC paulista (1978-2010): contestação, intermediação e colaboracionismo. Revista Aurora, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 36–58, 2010. DOI: 10.36311/1982-8004.2010.v3n2.1230. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1230. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Temos como foco o movimento de organização da classe operária do ABC paulista. Considerando que as transformações em suas formas organizativas ao final da década de 1970 e 1980. Discutimos alguns dos desdobramentos organizativos das greves operárias no ABC decorridas nos anos 1978, 1979 e 1980, tal com a fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Consideramos tais metamorfoses face às transformações pelas quais passou o sistema produtivo brasileiro, e as entidades que reivindicam a representação dos trabalhadores. Consideramos ainda, a partir de 1990 as transformações ligadas ao novo período histórico da mundialização do capital. Trata-se de um período mundial de contra-reformas, onde o capital (enquanto relação social onde impera a dominação de classe) reorganizado impera de forma diferenciada sobre o trabalho. Subsumindo a classe operária do mundo todo.
https://doi.org/10.36311/1982-8004.2010.v3n2.1230
PDF

Referências

ABRAMO, L. O resgate da dignidade: greve metalúrgica e subjetividade operária. Campinas SP. EDITORA da UNICAMP. São Paulo. Imprensa Oficial, 1999.

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios sobre sociologia do trabalho. Praxis. Londrina. 2007.

ALVES, G. O novo (e precário) mundo do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2000.

ANTUNES, R. A Rebeldia do trabalho, 2a edição. Campinas: Ed. Unicamp, 1992.

BOITO, A. Neoliberalismo e corporativismo no Brasil. In: ARAÚJO, A. (org). Do corporativismo ao neoliberalismo. SP: Boitempo, 2002.

CADERNOS ESTRATÉGIA INTERNACIONAL BRASIL. “1964-1980 - A classe operária na luta contra a ditadura. Edições Iskra. 2008. Disponível no endereço: http://www.ler-qi.org/IMG/pdf/Tesis_70.pdf

CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise. São Paulo: Ed. da UNESP: UNICAMP/IE, 2002.

CHASIN, J. As máquinas param, germina a democracia. Revista Escrita/Ensaio no 7. Escrita, São Paulo,

Disponível no site: http://www.verinotio.org/publicacoes_asmaquinas param.htm.

ENGELS, F. Princípios básicos do comunismo. In: MARX, K., ENGELS. Obras escolhidas. Tomo I. Edições avante. Portugual.1982.

FERNANDES, F. O pt em movimento. SP: Cortez: Autores associados, 1991.

FILGUEIRAS, L., GONÇALVES, R. A economia política do governo Lula. Ed. Contraponto. 2007.

FILGUEIRAS, L. História do Plano Real: Fundamentos, impactos e contradições. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

FREDERICO, C. A vanguarda operária. São Paulo: Símbolo, 1979.

GIANNOTTI, V; NETO, S.B. CUT ontem e hoje: o que mudou das origens ao IV CONCUT. São Paulo. Vozes, 1991.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 1999.

HIRATA, H. (Org). Sobre o modelo japonês. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1993.

LEITE, M. P. Sindicatos e Desenvolvimento Econômico: A experiência da Câmara Regional do Grande ABC no Brasil. In: Enrique de la Garza Toledo. (Org.). Reestructuracion Productiva, Mercado de Trabajo y Sindicatos en America Latina. 1a. ed. Buenos Aires: Clacso- Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2000.

LEITE LOPES, J. S. História e transformações do sindicalismo brasileiro. R. Theomai. 2009.

LENIN, I.V. Sobre os sindicatos. Col. Teoria e História. Editora Polis. 1979.

LENIN, I.V. O Estado e a revolução. Ed. Expressão popular. São Paulo.

LISBOA, V. Algumas lições do Ascenso proletário dos anos 70 contra a ditadura e o papel da esquerda. Revista Estratégia Internacional Brasil, no 3. Ed. ISKRA, maio de 2008. p. 13-40.

LULA, L. I S. Entrevista a José Arbex Jr. Revista Caros Amigos. São Paulo, Editora Casa Amarela, 2000. MARONI, A. A estratégia da recusa: análise das greves de maio/78. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MARX, K. Para a questão judaica. Expressão popular. 2009.

MARX, K. A Ideologia Alemã. Boitempo, São Paulo, 2007.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. Editora Boitempo: São Paulo, 2004.

MARX, K. O Capital – Crítica da Economia Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

OLIVEIRA, E. Toyotismo no Brasil. São Paulo, Expressão Popular, 2004.

PARANHOS, K. R. Era uma vez em São Bernardo: o discurso sindical dos metalúrgicos – 1971/1982. Editora da Unicamp. 1999.

POCHMANN, M. Sindeepres 15 Anos- A superterceirização dos contratos de trabalho. S.E. 2007.

RAINHO. L. F. Os peões do Grande ABC. Petrópolis. Editora Vozes, 1980.

SADER, E. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da grande São Paulo (1970-80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

SALLES, E., MATOS, D. O processo revolucionário que culmina no golpe militar de 1964 e as bases para a construção de um partido revolucionário no Brasil. In: Revista Estratégia Internacional Brasil, no 2. Ed. ISKRA, setembro de 2007. Disponível em: http://www.ler- qi.org/spip.php?rubrique288

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Paz e Terra. Rio de Janeiro, 1987.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria, ou, Um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TROTSKY, L. História da Revolução Russa. Ed Sundermann. 2007.

TROTSKY, L. A revolução permanente. Ed. Expressão popular. 2007.

TROTSKY, L. Escritos sobre sindicato. São Paulo. Kairós Livraria e Ed. 1979.

VIANNA, L.W. Liberalismo e sindicato no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2011 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.