A empregabilidade como estratégia do capital para a pulverização da classe trabalhadora
PDF

Palavras-chave

Empregabilidade
Exclusão
Trabalho e Educação

Como Citar

A empregabilidade como estratégia do capital para a pulverização da classe trabalhadora. Revista Aurora, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 21–30, 2010. DOI: 10.36311/1982-8004.2010.v3n2.1228. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1228.. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

Esta reflexão resulta de nossa pesquisa sobre a política de educação profissional de nível básico, modalidade não formal para trabalhadores pobres, financiada pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador, no período de 2001 a 2005. Tem por objetivo analisar a empregabilidade enquanto estratégia do capital para a pulverização da classe trabalhadora, expressão do aprofundamento da polarização das qualificações, que impõe perfis de trabalhador que mudam, de acordo com as vicissitudes do mercado de trabalho. Aparentemente, existe uma contradição em que a noção de empregabilidade pode ser entendida como um instrumento de valorização dos conhecimentos do trabalhador, certificados no capitalismo, que sobrevive da elevação dos níveis de exploração. Interrogamo-nos se a empregabilidade é uma noção que contribui à valorização do trabalho ou um recurso de destituição do valor do trabalho e, consequentemente, de intensificação da exploração da mais-valia, e quais são as consequências da empregabilidade sobre o processo de pulverização da classe trabalhadora pelo capital. A hipótese é a de que a empregabilidade é uma noção construída na nova organização do trabalho toyotista, embora desde sempre o capital estabelece perfis de trabalhador a ser definidos como critério de recrutamento e seleção, e que tem servido a ratificar o argumento liberal da responsabilização do próprio trabalhador pelo desemprego, mas que, na verdade, se deve às oscilações do mercado.

PDF

Referências

ACQUAVIVA, M. C. Vademecum Universitário de Direito. São Paulo: Editora jurídica brasileira, 1998.

CASTEL, R. Centralidade do trabalho e coesão social. In: KEGOT, J.; LIENART, D. (Dir.).. Le monde du travail. Paris: La Découverte, 1998. Tradução livre de Sonia Tomazini. Campinas, Instituto de Economia – CESIT, UNIVERSIDADE DE CAMPINAS, 1999. Mimemografado.

CHOSSUDOVSKY, M. Capítulo 3 – A economia global baseada na mão-de-obra barata. In: CHOSSUDOVSKY, M. A globalização da pobreza: impactos das reformas do FMI e do Banco Mundial. (2.reimpressão) São Paulo: moderna, 1999.

COSTA, A. Anônimas odisséias: a dupla destituição da escola e do trabalho na infância e na vida adulta. São Paulo: Annablume, 2005.

COSTA, A. A pena de Tântalo: uma política de educação profissional para trabalhadores “sedentos” por trabalho. Política & Sociedade. V. 8, p. 321- 338, Florianópolis, 2009.

DELLORS, J. (Org.) Educação, um tesouro a descobrir. 10.ed. São Paulo: Cortez/UNESCO, 2006.

FORACCHI, M. L. M. A participação social dos excluídos. São Paulo: Hucitec, 1982.

MAIOR, J. L. S. O direito do trabalho como instrumento de justiça social. São Paulo: LTR, 2000.

MAIOR, J. L. S . A noção de “participação –exclusão” no estatuto das populações marginais. In: MARTINS. J. (org.) A participação social dos excluídos. São Paulo: Hucitec, 1982. p.18-19.

GOUNET, T. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo editorial, 1999.

GRAMSCI, A. Caderno 12: apontamentos e notas esparsas para um conjunto de ensaios sobre a história dos intelectuais. Apresentação, comentários, notas e revisão técnica da tradução de Paolo Nosella. São Carlos/SP: Universidade Federal de São Carlos, 1989. mimeografado.

GRAMSCI, A. Americanismo e fordismo. Apresentação, comentários, notas e revisão técnica da tradução de Paolo Nosella. São Carlos/SP : Universidade Federal de São Carlos, 1989a. mimeografado.

MARX, K. O Capital. Livro primeiro, volume II. 16.ed. São Paulo: Civilização Brasileira, 1998.

PAIVA, V. Desmistificação das profissões: quando as competências moldam as formas de inserção no mundo do trabalho. Rev. Contemporaneidade e educação. Ano II, no1, maio/1997, p. 117- 134.

PAOLI, M. C. P. M. Desenvolvimento e marginalidade. São Paulo: Livraria Pioneira, 1974.

PEÑA CASTRO, R. Tecnologia, trabalho e educação (indeterminações) Cadernos da ANPED, no6, out., 1994. P. 29-53.

PEÑA CASTRO, R. Desvalorização social do trabalho e ilusória centralidade da educação. Universidade Federal de São Carlos – Centro de Educação e Ciências Humanas, São Carlos, 1996. mimeografado.

RAMOS, M. N. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

ROSA, M. I. Do governo dos homens: as “novas responsabilidades” do trabalhador e acesso aos conhecimentos. Educação e sociedade, 64, número especial: Competência, Qualificação e trabalho. São Paulo: setembro/1998. p. 130-147.

SCHWARTZ, Y. Travail et usage de soi. In: SCHWARTZ, Y. Travail et philosophie: convocations mutuelles. Paris: Octares, 1992. p. 45-66.

SCHWARTZ, Y. Os ingredientes da competência: um exercício necessário para uma questão insolúvel. Educação & Sociedade. N.65, p.101-140, 1998. TANGUY, L. Do sistema educativo ao emprego: um bem universal? Educação e sociedade São Paulo, no67, p. 49-69, agosto, 1999.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2011 Revista Aurora

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.downloads##

##plugins.themes.healthSciences.displayStats.noStats##