MICHAEL LÖWY E DANIEL BENSAÏD: O MARXISMO E A CRÍTICA DA MODERNIDADE

Autores

  • FABIO MASCARO QUERIDO

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2008.v2n1.1198

Palavras-chave:

Marxismo. Crítica da modernidade. Daniel Bensaïd.

Resumo

Partindo da acedência ideológica do conceito de modernidade, o artigo ora apresentado assenta-se na tentativa de antever alguns aspectos específicos da proposição, comum a Daniel Bensaïd e Michael Löwy, de que o marxismo deve se constituir como uma crítica moderna da modernidade. Neste trajeto, busca-se ressaltar as implicações teóricas e políticas de tal postura, conflagrada em um contexto marcado pela emergência de uma lógica cultural pós-moderna (JAMESON, 1996), a qual colocara em questão alguns dos fundamentos do discurso filosófico da modernidade. Para tanto, verifica-se as formas pelas quais tanto Bensaïd quanto Löwy articulam suas críticas (a partir de suas apropriações específicas da obra de Walter Benjamin) do “progresso” histórico da modernidade, com ênfase especial sobre a importância que eles conferem à luta ecológica, situando-a como momento indispensável da crítica anticapitalista à lógica destrutiva do paradigma produtivo e societário moderno – crítica que, diferenciando-se da simples recusa “pós-moderna” da modernidade, retém (rearticulando-as) algumas conquistas e potencialidades emancipatórias imanentes ao mundo moderno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-12-20

Edição

Seção

Miscelânea