Implementação de uma metodologia didática inclusiva para o estudo da anatomia animal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2358-8845.2021.v8n1.p95-112

Palavras-chave:

Morfologia animal, Metodologia alternativa, Deficiente visual

Resumo

A deficiência visual gera um desafio no processo ensino-aprendizagem onde Métodos alternativos de ensino se tornam indispensáveis para proporcionar percepção e conhecimento as pessoas com deficiência visual (PcDV), além de desenvolverem a acuidade dos sentidos e habilidades motoras dos mesmos. Este trabalho objetiva implementar métodos alternativos para o ensino da anatomia animal, e que estes possam ser utilizados como ferramenta didática inclusiva. Tendo como base o acervo da Seção de Anatomia Animal foi criada uma coleção didática constituída de modelos biológicos, tridimensionais e em relevo, e por preparações anatômicas alternativas, uma proposta “palpável”, capaz de vincular o ensino da ciência, em especial da morfologia animal, aos processos de assimilação e transformação do indivíduo, ao resgate da cidadania e a inserção social. Destacando-se a importância dessa metodologia, conclui-se que toda adaptação requer empatia com o próximo, sendo fundamental a atuação dos mediadores.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Bárbara Rodrigues Godinho, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Doutora em Ciência Animal, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Ketlynn Passos Alvarenga, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Mestranda em Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Mariana Biscaro Zófoli, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Doutoranda em Ciência Animal, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Referências

AGENCY FOR TOXIC SUBSTANCES AND DISEASE REGISTRY (ATSDR). Toxicological Profile for Formaldehyde, Atlanta: U.S. Department of Health and Human Services, Public Health Service, 1999.

ALMEIDA, M. G. de S. Tato como fator de aprendizagem. Rio de Janeiro: Instituto Benjamin Constant, 2008.

BALLESTERO-ÁLVARES, José Alfonso. Multissensorialidade no ensino para cegos. 2003. 121f. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27131/tde-21032005-213811/publico/alfonso1.pdf. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

BASSOLI, Fernanda. O processo de apropriação da bioexposição “a célula ao alcance da mão” em um centro de ciências: desafios da mediação. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 155-174, jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epec/a/wXy8vMSHNdxVd8kMvZqbbVv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 24 de setembro de 2021.

BARBOSA, Anny Cibelly Campelo; SILVA, Cassiano Rufino da; JÚNIOR, Johanes Ferreira de Lima; LIMA, Priscilla Vasconcelos de; MENEZES, Cristiane Souza de. Produção de materiais didáticos inclusivos no âmbito das atividades de um projeto de extensão. Revista Semana Pedagógica, v. 1, n. 1, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistasemanapedagogica/article/view/243297. Acesso em: 24 de setembro de 2021.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior: 2010 – resumo técnico. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2012.

BRASIL, Lei n. 11.126 de 27 de Julho de 2005. Direito do portador de deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado de cão-guia. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11126.htm . Acesso em 22 de setembro de 2021.

BRASIL, Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em 22 de setembro de 2021.

CACHAPUZ, Antonio; CARVALHO, Ana Maria Pessoa de; GIL-PEREZ, Daniel [Orgs.]. O ensino de ciências como compromisso científico e social: os caminhos que percorremos. São Paulo: Cortez Editora, 2012.

CAMPOS, Carolina Rosa; NAKANO, Tatiana de Cássia. Avaliação da inteligência de crianças deficientes visuais: proposta de instrumento. Psicologia: Ciência e Profissão [online], v. 34, n. 2, p. 406-419, jun. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pcp/a/cbL38rCykXKhvL85zDRL73H/abstract/?lang=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

CARVALHO, Yuri K.; ZAVARIZE, Kelen C.; MEDEIROS, Luciana dos S.; BOMBONATO, Pedro P. Avaliação do uso da glicerina proveniente da produção de biodiesel na conservação de peças anatômicas. Pesquisa Veterinária Brasileira, Rio de Janeiro, v. 33, n. 1, p. 115-118, jan. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pvb/a/bs3PGJtvGrGhvW9TpjShd3N/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

CERQUEIRA, Jonir Beichara; FERREIRA, Elise de Melo Borba. Recursos didáticos na educação especial. Benjamin Constant [online], v. 6, n. 15, p. 24-28, 2000. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2000/edicao-15-abril/Nossos_Meios_RBC_RevAbr2000_ARTIGO3.pdf. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

COMARÚ, Michele Waltz; COUTINHO, Cláudia Mara Lara Melo. Ensino de graduação para alunos com deficiência: um olhar brasileiro sobre experiências da Espanha. Latin American Journal of Science Education [online], 2017. Disponível em: http://www.lajse.org/may17/12008_Waltz_2017.pdf. Acesso em: 24 de setembro de 2021.

CORDEIRO, J. S. Ciências Naturais: Como Ensinar, Incluindo Crianças Com Deficiência Visual? Campos dos Goytacazes: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), 2005.

DECKER, S. T.; ENGLUND, J. A.; ROBERTS, A. M. Intellectual and neuropsychological assessment of individuals with sensory and physical disabilities and traumatic brain injury. In: FLANAGAN, D. P.; HARRISON, P. L. Contemporary intellectual assessment. New York: The Guilford Press, 2012. p. 708-725.

DOMINGUES, Celma dos Anjos; SÁ, Elizabet Dias de; CARVALHO, Silvia Helena Rodrigues de; ARRUDA, Sônia Maria Chadi de Paula; SIMÃO, Valdirene Stiegler. A educação especial na perspectiva da inclusão escolar: os alunos com deficiência visual: baixa visão e cegueira. Brasília: Ministério da Educação, 2010.

FERREIRA, Solange Leme. Ingresso, permanência e competência: uma realidade possível para universitários com necessidades educacionais especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo, v.13, n. 1, p. 43-60, jan./abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382007000100004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

FRANÇA-FREITAS, Maria Luiza Pontes de; GIL, Maria Stella Coutinho de Alcântara. O Desenvolvimento de Crianças Cegas e de Crianças Videntes. Revista Brasileira Educação Especial, Marília, v. 18, n. 3, p. 507-526, jul./set. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/TWN7qHFjwZmjjPzttCNHTVk/?lang=pt. Acesso em 14 de setembro de 2020.

GARCIA, Raquel Araújo Bonfim; BACARIN, Ana Paula Siltrão; LEONARDO, Nilza Sanches Tessaro. Acessibilidade e permanência na educação superior: percepção de estudantes com deficiência. Psicologia Escolar e Educacional [online], São Paulo, n. especial, p. 33-40, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-85572018000400033&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação [online], Santa Catarina, v. 18, n. 52, p. 101-119, jan./mar. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782013000100007&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

GIL, Marta. Deficiência visual. Brasília: Cadernos da TV Escola, 2000.

HADDAD, Maria Aparecida Onuki; SAMPAIO, Marcos Wilson. Aspectos globais da deficiência visual. In: SAMPAIO, Marcos Wilson; HADDAD, Maria Aparecida Onuki; FILHO, Helder Alves da Costa; SIAULYS, Mara Olimpia de Campos. Baixa visão e cegueira: Os caminhos para a reabilitação, a educação e a inclusão. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. p. 08-16.

KRUG, Leonice; PAPPEN, Felipe; ZIMERMANN, Francielli; DEZEN, Diogénes; RAUBER, Lúcio; SEMMELMANN, Cláudio; ROMAN, Luiz Inácio; BARRETA, Marcos Henrique. Conservação de peças anatômicas com glicerina loira. In: MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA – IMIC, n° 1, 2011, Santa Catarina. Anais... Santa Catarina: Instituto Federal Catarinense, 2011. Disponível em: http://mic.concordia.ifc.edu.br/wp-content/uploads/sites/30/2017/10/MIC109. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

MALAGRIS, Lúcia Novaes. O professor, o aluno com distúrbios de conduta e o stress. In: LIPP, Marilda. O stress do professor. São Paulo: Papirus, 2002.

MENDONÇA, Cléverton de Oliveira; SANTOS, Marlon Wendell Oliveira dos. Modelos didáticos para o ensino de ciências e biologia: aparelho reprodutor feminino da fecundação a nidação. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE, n° 5, 2011, Sergipe. Anais... Sergipe, 2011. Disponível em: http://hpc.ct.utfpr.edu.br/~charlie/docs/PPGFCET/4_TRABALHO_03_MODELOS%20DID%C3%81TICOS.pdf. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

MORA, María del Carmen Sánchez. Diversos enfoques sobre as visitas guiadas nos museus de ciência. In: MASSARANI, Luisa; MERZAGORA, Matteo; RODARI, Paola (org.). Diálogos & ciência: mediação em museus e centros de ciência. Rio de Janeiro: Museu da Vida: Casa de Oswaldo Cruz, 2007. p. 22-27

NAUJORKS, Maria Inês. Stress e Inclusão: indicadores de stress em professores frente a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Educação Especial, n. 20, p. 117-126, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/5125/3105. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

NEPOMUCENO, Taiane Aparecida Ribeiro; ZANDER, Leiza Daniele. Uma análise dos recursos didáticos táteis adaptados ao ensino de ciências a alunos com deficiência visual inseridos no ensino fundamental. Benjamin Constant. v. 1, n. 58, p. 49-63, jan./jun. 2015. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2015/edicao-58-volume-1-janeiro-junho/BC58_1_Artigo3.pdf. Acesso em: 14 set. 2020.

NUERNBERG, Adriano Henrique. Ilustrações táteis bidimensionais em livros infantis: considerações acerca de sua construção no contexto da educação de crianças com deficiência visual. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 26, n. 36, p. 1-14, jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/1438. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

NUNES, Sylvia; LOMÔNACO, José Fernando Bitencourt. O aluno cego: preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 55-64, jan./jun. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-85572010000100006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

OKA, C. M.; NASSIF, M. C. M. Recursos escolares para aluno com cegueira. In: SAMPAIO, Marcos Wilson; HADDAD, Maria Aparecida Onuki; FILHO, Helder Alves da Costa; SIAULYS, Mara Olimpia de Campos. Baixa visão e cegueira: Os caminhos para a reabilitação, a educação e a inclusão. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. p. 389-414.

PAÍN, Abraham. Educación informal. Buenos Aires: Nueva Visión, 1992.

PAULO, Paula Rodrigues N. F.; BORGES, Márcia Narcizo; DELOU, Cristina Maria. Produção de materiais didáticos acessíveis para o ensino de química orgânica inclusivo. Areté, Manaus, v. 11, n. 23, jan./jun. 2018. Disponível em: http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/881/695. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

PONTES, Ana Claudia Nunes; FERNANDES, Edicléa Mascarenhas. O uso de recursos didáticos adaptados na escolarização e inclusão de educandos cegos e de baixa visão. In: IV COLBEDUCA – COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO, Portugal, 2018. Anais...Portugal, 2018. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/colbeduca/article/view/11486. Acesso em: 24 de setembro de 2021.

ROLDI, Maria Margareth Cancian; SILVA, Mirian do Amaral Jonis; CAMPOS, Carlos Roberto Pires. Diálogo com mediadores de Museus de Ciência. Ciência & Educação, Bauru, v. 25, n. 4, p. 983-998, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/R3SvXtHNH3ffQCgghs6Yf4t/?lang=pt. Acesso em: 24 de setembro de 2021.

RODRIGUES, Hildegardo. Técnicas anatômicas. 4. ed. Vitória: GM Gráfica e Editora, 2010.

SANT’ANNA, Nadir Francisca; ARAÚJO, Graziela de Sá Machado; ROCHA, L. D.; GARCEZ, Suzana Freitas; BARBOZA, Cláudia Bueno. Técnicas para produção e reprodução de material educacional de baixo custo na área de Ciências Morfológicas para deficientes visuais. Revista InterScience Place, v. 9, n. 30, p. 14-197, jul./set. 2014. Disponível em: http://www.interscienceplace.org/isp/index.php/isp/article/view/289. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

SCHALLER, Oskar. Nomenclatura anatômica veterinária ilustrada. São Paulo: Manole, 1999.

SILVEIRA, Thaís Brasil; MEDEIROS, Luciana dos Santos; SOUZA, Soraia Figueiredo de; PERUQUETTI, Rui Carlos; CARVALHO, Yuri Karaccas de. Estudo comparativo do uso do formol e glicerina semi-purificada na conservação de peças anatômicas e sua relação com ensino-aprendizagem. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 19, p. 1079-1087, 2014. Disponível em: https://www.conhecer.org.br/enciclop/2014b/AGRARIAS/estudo%20comparativo.pdf. Acesso em: 14 de setembro de 2020.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. In: CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE NECESSIDADES EDUCATIVAS: ACESSO E QUALIDADE, 1994, Salamanca. Anais... Salamanca: UNESCO, 1994. Disponível: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 15 de setembro de 2020.

VIANNA, Marcelo (Orgs.) Novos diálogos entre Ciência e Tecnologia: perspectivas de pesquisas [recurso eletrônico]. Porto Alegre: Editora Fi, 2020. Disponível em: http://pergamum.ifrs.edu.br/pergamumweb_ifrs/vinculos/000076/000076bc.pdf. Acesso em: 12 de outubro de 2021.

ZÓFOLI, Mariana Biscaro. Avaliação de métodos alternativos para conservação de peças anatômicas e suas aplicações conscientes no laboratório de anatomia animal. 2017. 78f. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2017.

ZEPPONE, Rosimeire Maria Orlando. A conferência mundial de educação para todos e a declaração de Salamanca: alguns apontamentos. Revista de . Educação Especial., Santa Maria, v. 24, n. 41, p. 363-376, set./dez. 2011

Downloads

Publicado

2021-07-10