Mitos sobre a surdez no imaginário de alunos jovens e adultos de uma escola inclusiva bilíngue

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/2358-8845.2021.v8n1.p143-154

Palavras-chave:

Educação de Surdos, Língua Brasileira de Sinais (Libras), Surdez

Resumo

Atualmente se tornam cada vez mais frequentes na sociedade discussões envolvendo a surdez e o sujeito surdo em diversos ambientes. Ainda assim, mesmo com maior abordagem do assunto e até mesmo a presença de surdos em ambientes inclusivos, há por parte da população geral desconhecimento em diversas questões que são permeadas por mitos frequentemente difundidos e que envolvem o sujeito surdo e suas especificidades, criando um senso comum errôneo. Nesse contexto, o presente artigo propõe relatar e discutir tais questões por meio de uma atividade realizada em uma escola municipal de Campinas, tendo como objetivo a investigação dos conhecimentos de estudantes ouvintes acerca da surdez e do sujeito surdo, com a discussão e desconstrução dos principais mitos que envolvem essa temática. Também é desenvolvida a discussão sobre o papel da inclusão na modificação de visão e conhecimentos que alunos ouvintes têm sobre o sujeito surdo e a surdez. Os resultados obtidos indicam que apenas inserir alunos surdos em sala de aula, não promove, necessariamente, uma mudança conceitual nos alunos ouvintes sobre a experiência de ser surdo ou sobre a língua de sinais. É preciso que a gestão e o corpo docente se mobilizem na tarefa de proporcionar situações em que os surdos assumam um posicionamento de protagonismo em sala de aula e na escola a fim de compartilhar as diferenças e potencialidades do sujeito surdo e também promover familiaridade sobre a língua brasileira de sinais, sobrepondo os mitos comumente difundidos e que são, de maneira errônea, frequentemente assumidos como verdadeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingrid Pereira de Souza, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Fonoaudiologia, Universidade Estadual de Campinas.

Rodrigo Gomes Pinto, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em História, Universidade Estadual de Campinas

Breno de Souza Juz, Universidade Estadual de Campinas

Mestre em educação, Prefeitura Municipal de Campinas.

Lilian Cristine Ribeiro Nascimento, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Educação, Universidade Estadual de Campinas

Referências

ALMEIDA, K. Seleção e adaptação de próteses auditivas em adultos. In: FERREIRA, L. P.; BEFI-LOPES, D. M.; LIMONGI, S. C. O. Tratado de Fonoaudiologia, São Paulo: Roca, 2004.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de Dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº10.436 de 24 de abril de 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm . Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm . Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. LEI Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 6 de julho de 2015. Disponível em http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm . Acesso em: 20 jul. 2019.

CLETO, M. L. S. Reabilitação na Laringectomia total. Fonoaudiologia em cancerologia, p. 83, 2000.

DINIZ, D. M; SILVA, J. P. Desafios da inclusão na trajetória escolar da pessoa surda. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 10, n. 1, 2017. Disponível em https://eventos.set.edu.br/enfope/article/view/5299/1791 . Acesso em: 07 set. 2020.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GIL, A. C. Técnicas de pesquisa em economia e elaboração de monografias. São Paulo: Atlas, 2000.

LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F.; MARTINS, V. R. O. (Orgs.). Escola e diferença: caminhos da educação bilíngue para surdos. São Carlos: Edufscar, 2016.

PEIXOTO, A. C. A.; CAROLI, A. L. G.; MARIANA, S. R. Mutismo seletivo: estudo de caso com tratamento interdisciplinar. Rev. bras. ter. cogn. Rio de Janeiro , v. 13, n. 1, p. 5-11, jun. 2017. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script= sci_arttext & pid=S1808-56872017000100003 & lng= pt nrm=iso . Acesso em: 20 jul. de 2019.

PEREIRA, M. C. C. et al.. Libras: conhecimento além dos sinais. São Paulo, 2011.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

ROCHA, E. O que é Mito: Notas de estudo de Cultura. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994.

SOBREIRA, A. C. O. et al. Desenvolvimento de fala e linguagem na deficiência auditiva: relato de dois casos. Revista CEFAC, v. 17, n. 1, p. 308-317, 2015.

SOFIATO, C. G. A política de inclusão de alunos surdos na rede municipal de ensino na cidade de Campinas: o Programa de Inclusão Bilíngue. Anais do I Simpósio Internacional de Estudos sobre a Deficiência – SEDPcD/Diversitas/USP Legal – São Paulo, junho/2013. Disponível em http://www.memorialdainclusao.org.br/ebook/Textos/Cassia_Geciauskas_Sofiato.pdf . Acesso em: 07 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-10