O processo de desindustrialização e a inserção brasileira nas cadeias globais de valor
PDF

Palavras-chave

Desindustrialização
Cadeias Globais de Valor
Inserção Internacional

Como Citar

LEUTWILER, J. O processo de desindustrialização e a inserção brasileira nas cadeias globais de valor. Revista Aurora, [S. l.], v. 12, n. 2, p. 25–44, 2019. DOI: 10.36311/1982-8004.2019.v12n2.04.p25. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/6725. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

O processo de desindustrialização, entendida como queda persistente na participação da indústria de transformação no produto interno bruto pode ser observada como sendo natural ou precoce. No interior da economia brasileira há um debate sobre a existência ou não da desidustrialização, porém os dados sugerem que sua observância é real. Políticas de industrialização, ou reflexos da desindustrialização, reverberam diretamente na inserção dos países nas cadeias globais de valor e são variáveis importantes para a orientação do desenvolvimento. As cadeias globais de valor são fruto de alterações na divisão internacional do trabalho, em conjunto com a globalização, tendo como características fundamentais a flexibilidade e a fragmentação. Dessa forma, o objetivo do presente artigo é realizar uma discussão em volta dos conceitos da desindustrialização, das cadeias globais de valor e o posicionamento do Brasil referente a esses processos.

Recebido em 05/08/2018
Aprovado em 08/01/2019

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2019.v12n2.04.p25
PDF

Referências

AREND, M. “A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho”. In: Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: IPEA, 2014. Disponível em <http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_presente_futuro_desenvolvimento>. Acesso em: 19 set. 2014.

BONELLI, R.; PESSOA, S. A.; MATOS, S. “Seminário: desindustrialização, novas evidências, velhas dúvidas”. Rio de Janeiro: Ibre/FGV, 2012. Disponível em: <http://www.iepecdg.com. br/?acao=seminarios&semestrano=2012.1>.

CANO, W. “A desindustrialização no Brasil”. In: Economia e Sociedade.Campinas, v. 21, 2012. p. 831- 851. Disponível em: <http://www.eco.unicamp.br/index.php/revista-economia-e-sociedade>. Acesso em: 23 jun. 2014.

CARNEIRO, R. M. Commodities, choques externos e crescimento: reflexões sobre a América Latina. Santiago: CEPAL, 2012. Disponível em: <http://www.eclac.cl/de/publicaciones/xml/0/45770/Serie_CARNEIRO_ok.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2014.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO – FIESP. Por que reindustrializar o Brasil? São Paulo: Departamento de Competitividade e Teconologia, 2013.

LEUTWILER, J. F. P. Reprimarização da pauta de exportação e a atual inserção internacional brasileira (2000-2014). Dissertação de mestrado. Ciências Sociais, 2016.

OLIVEIRA, S. E. M. C. O. Cadeias globais de valor e os novos padrões de comércio internacional: estratégias de inserção de Brasil e Canadá. Brasília:Fundação Alexandre de Gusmão, Brasília, 2015.Disponível em: <http://funag.gov.br/loja/download/1124-cadeias_globais_de_valor_e_os_novos_padroes_internacionais.pdf>. Acesso em: 05 out. 2015.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Revista Aurora

Downloads

Não há dados estatísticos.