A transformação urbana por meio de megaeventos e da cultura

quem ganha?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2016.v9n1.09.p114

Palavras-chave:

Megaevento, Cultura, Cidade, Planejamento estratégico urbano

Resumo

Intervenções urbanas de grandes proporções vêm ocorrendo em diversas cidades brasileiras, especialmente na última década, após algumas delas serem escolhidas para sediar dois grandes eventos esportivos: a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Ao mesmo tempo, é também perceptível um crescente interesse pela cultura como forma de transformar a cidade – interesse que se manifesta com a revitalização de espaços de importância histórica e sua conversão em equipamentos culturais, na valorização das culturas locais e na criação de festivais, realizados, em geral, em centros urbanos. Esses dois fenômenos também são encontrados de maneira associada, quando intervenções culturais são justificadas pela realização dos megaeventos. A partir da constatação desses fatos por meio do relato de algumas situações encontradas no país, o presente artigo busca evidenciar a concepção de cidade que é reproduzida neste momento histórico do capitalismo para, em seguida, analisar os setores da estrutura social que mais se beneficiam com tais intervenções. Os legados da Copa do Mundo e das Olimpíadas, como as transformações e desenvolvimento das vias urbanas ou reformas e ampliações de rodoviárias e aeroportos, bem como as alterações de cunho cultural, que trariam qualidade de vida à população, são justificativas recorrentes entre os ideólogos do planejamento estratégico urbano para as ações realizadas, no entanto, como se argumenta no final do trabalho, tal concepção de cidade traz em seu bojo a valorização do próprio capital, principalmente do ponto de vista imobiliário e especulativo.

Biografia do Autor

  • Valéria Pilão, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

    Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UNESP – Marília. E-mail: valeriapilao@gmail.com.

Referências

ARQUIDIOCESE DE CAMPINAS. Disponível em: <http://arquidiocesecampinas.com/dom-airton-assume-presidencia-do-museu-arquidiocesano.html>. Acesso em: 20/12/2012.

ARANTES, O. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. p.11-74.

ASSECOM. Disponível em: <http://www.rn.gov.br/imprensa/noticias/ministerio-da-cultura-vira-parceiro-do-projeto-de-restauracao-da-fortaleza-dos-reis-magos/12863/>. Acesso em:20/12/2012.

BAPTISTA, Dulce M. T.; GAGLIARDI, Clarissa M.R. (orgs.) Intervenções urbanas em centro históricos: Brasil e Itália em discussão. São Paulo: EDUC/CAPES, 2012. p. 171-192.

BORJA, J. Revolución y contrarrevolución em la ciudad global: las expectativas frustradas por La globalización de nuestras ciudades. EURE, Santiago, vol. 33, n. 100, p. 35-50, dez. 2007. Disponível em: < http://www.eure.cl/>. Acesso em: 20/09/2012.

BROUDEHOUX, Anne-Marie. Mega Eventos: o futuro do planejamento ou o planejamento como futuro? E-metropolis, Rio de Janeiro, n. 3, ano 1, p. 29-34, dez. 2010. Disponível em: < http://www.emetropolis.net/>. Acesso em: 23/1/2013.

CARVALHO, M. Cidade global: anotações críticas sobre um conceito. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 14, n. 4, 2000.

CHAYAMITI, I.; BARBOSA, M. Após dois anos, África do Sul ainda paga conta de estádios. Folha de São Paulo. São Paulo, 01/04/2012. Videocasts. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/1069576-apos-dois-anos-africa-do-sul-ainda-pagaconta-de-estadios.shtml>. Acesso em: 21/01/2013.

FERNANDES, L. Para além dos Jogos: os grandes eventos esportivos e a agenda do desenvolvimento nacinal. In: ANDREW, J. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas? São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2014.

FERNANDES, L. Cidades para poucos ou para todos? Impasses da democratização das cidades no Brasil e os riscos de um “urbanismo às avessas”. In: OLIVEIRA, F; BRAGA, R; RIZEK, C. (orgs.). Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010.

FERREIRA, J.S.W. Um teatro milionário. In: ANDREW, J. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas? São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2014.

FRÚGOLI JUNIOR, Heitor; CHIZZOLINI, Bianca Barbosa. Moradias e práticas espaciais na região da Luz. Ponto Urbe, São Paulo, n. 11, ano 6, dez. 2012. Disponível em: <http://www.pontourbe.net/edicao11-dossie-luz/262-moradias-e-praticas-espaciais-na-regiao-da-luz>. Acesso em: 20/1/2013.

G1 RIO. Em carta, índios dizem que resistirão a desapropriação de museu no Rio. G1: o portal de notícias da Globo. Rio de Janeiro, 29/1/2013. Disponível em: <http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2013/01/em-carta-indios-dizem-que-resistirao-desapropriacao-de-antigo-museu.html>. Acesso em: 30/1/2013.

HARVEY, D. Do administrativismo ao empreendedorismo: a transformação da governança urbana no capitalismo tardio. In: HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

JOSÉ. Beatriz K. As intervenções urbano-culturais no centro de São Paulo (anos 90). In: BAPTISTA, Dulce M. T.; GAGLIARDI, Clarissa M.R. (orgs.) Intervenções urbanas em centro históricos: Brasil e Itália em discussão. São Paulo: EDUC/CAPES, 2012. p. 171-192.

LORES, R.J. Mecenato cria rede de museus em BH. Folha de São Paulo, São Paulo, 06 nov 2011. Disponível em . Acesso em: 06/11/2011.

MAGALHÃES, L. Marketing cultural: o que é que eu ganho com isso? In: Cribari, I. Economia da Cultura. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Masssangara, 2009.

MARICATO, E. Nossas cidades estão ficando inviáveis. Desafios do desenvolvimento, Brasília, nº 66, ano 8, 2011. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/desafios/index.phpoption=com_content&view=article&id=2508:catid=28&Itemid=23>. Acesso em: 12/12/2012.

MARICATO, E. Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

MINC. Projetos culturais via renúncia fiscal. 2011. Disponível em <http://www.cultura.gov.br/site/2011/07/07/projetos-culturais-via-renuncia-fiscal/>. Acesso em: 15/12/2011.

OLIVEIRA, Alberto. A economia dos megaeventos: impactos setoriais e regionais. Revista Paranaense de desenvolvimento. Curitiba, n.120, p.257-275, jan./jun 2011. Disponível em:< http://www.ipardes.gov.br/publicacoes/revista_pr/revista_pr.htm>. Acesso em: 20/1/2013.

SÁNCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial. Chapecó: Argos, 2010.

SÁNCHEZ, F.; BIENENSTEIN, G. A configuração de um modelo: notas para a inscrição histórica das grandes intervenções na cidade contemporânea. Seminário de História da Cidade e do Urbanismo - Sessão temática 4 "Políticas Públicas e Instrumentos do Urbanismo". Rio de Janeiro. v.8, n.4, 2004. Disponível em: < http://www.anpur.org.br/revista/rbeur/>. Acesso em: 15/1/2013.

USUÁRIOS de site de viagem listam lugares preferidos em São Paulo. Folha de São Paulo. São Paulo, 22/01/2013. Turismo. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/turismo/1218336-usuarios-de-site-de-viagem-listam-lugares-preferidos-emsao-paulo.shtml>. Acesso em: 22/01/2013.

VAINER. C. Pátria, empresa e mercadoria. In: ARANTES, O; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. p.75-103.

Downloads

Publicado

2016-11-25

Edição

Seção

Miscelânea

Como Citar

A transformação urbana por meio de megaeventos e da cultura: quem ganha?. Revista Aurora, [S. l.], v. 9, n. 01, p. 128–147, 2016. DOI: 10.36311/1982-8004.2016.v9n1.09.p114. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/6478.. Acesso em: 15 jun. 2024.