A dialética da reestruturação produtiva

a processualidade entre fordismo, taylorismo e toyotismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36311/1982-8004.2014.v7n2.3848

Palavras-chave:

Fordismo, Taylorismo, Toyotismo, Reestruturação produtiva

Resumo

O texto aborda as relações orgânicas entre as formas de organização do trabalho dos períodos caracterizados como fordismo, taylorismo e toyotismo, ressaltando que tais relações são historicamente determinadas e dialeticamente conjugadas entre si. A mundialização do capital, entendida como expansão da forma de sociabilidade capitalista contemporânea, acarreta particularidades ao desenvolvimento e dinâmica das relações de trabalho que ultrapassam a dinâmica produtiva e assumem caráter social, indicando um modelo híbrido de gestão do trabalho em todas as suas manifestações. O objetivo geral deste artigo é apresentar uma argumentação que indica a materialidade das relações sociais estabelecidas sob esta forma de sociabilidade através dos modelos de gestão do trabalho fordista, taylorista e toyotista e sua reverberação nas teorias organizacionais que integram a chamada Teoria Geral da Administração. Especificamente, trata-se de resgatar a perspectiva de processualidade entre estes modelos e destacar o caráter dialético e histórico dos diferentes momentos de reestruturação produtiva do capital, sobretudo durante o século XX, a fim de demonstrar que existe uma dinâmica orgânica entre eles. A metodologia utilizada conta com o método de investigação materialista histórico acompanhado do método de análise dialético, utilizando como instrumentos a pesquisa bibliográfica e análise documental.

Biografia do Autor

  • Erika Batista, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

    Doutora (2013) em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho e pós-doutoranda em Relações Internacionais e Desenvolvimento. Bolsista pelo Programa Nacional de Pós-doutorado (PNPD/Capes) em parceria com o Progra- ma de Pós-graduação em Ciências Sociais da Unesp, Campus de Marília. Suas áreas de atuação são Sociologia das Organizações e do Trabalho, Sociologia do Desenvolvimento e Sociologia Política, sobretudo nos temas: discursos organizacionais, trabalho e subjetividade, ideologia, sustentabilidade, ecologia e desenvolvimento.

Referências

ABREU, H. Para além dos direitos. Cidadania e hegemonia no mundo moderno. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

ALVES, G. trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

ANDERSON, P. “Balanço do neoliberalismo”. In: SADER, E.; GENTILI, P. (orgs). Pós-neoliberalis- mo. As políticas sociais e o Estado democrático. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez Editora, 2002a.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002b.

BATISTA, E. a insustentável teoria da sustentabilidade. Ideologia e reificação no discurso empre- sarial da responsabilidade social. Tese. (Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais). Universidade Estadual Paulista, Marília: 2013.

BATISTA, E. Formas de organização do trabalho: apontamentos para uma “anti-sociologia” do trabalho. Aurora - Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Unesp/ Marília, v. 1, p. 38-46, 2008.

BATISTA, E. a fantástica fábrica de dinheiro na trilha do empowerment: o discurso gerencial do Banco do Brasil. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais). Universidade Estadual Paulista, Marília: 2007.

BOITO Jr, A. “O futuro do sindicalismo”. In: Vários Autores. o sindicalismo na política brasileira. Campinas: IFCH, Unicamp, 2005.

BRAGA, R. “Luta de classes, reestruturação produtiva e hegemonia”. In: Novas tecnologias. Crítica da atual reestruturação produtiva. São Paulo: Xamã, 1995.

BRAVERMAN, H. trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX. Trad. Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.

CHESNAIS, F. A mundialização financeira: gênese, custos e riscos. São Paulo: Xamã, 1999.

CHESNAIS, F. “O capital produtor de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos”. In: _. a finança mundializada. São Paulo: Boitempo, 2005. DEJOURS, C. a loucura do trabalho. São Paulo: Cortez- Oboré, 1992.

FAYOL, H. administração industrial e geral: previsão, organização, comando, coordenação, con- trole. São Paulo: Atlas, 1965.

FORD, H. os princípios da prosperidade. Trad. Monteiro Lobato. São Paulo: Livraria Freitas Bas- tos, 1967.

FRIEDMANN, G. o trabalho em migalhas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972.

GRAMSCI, A. “Americanismo e Fordismo”. In: cadernos do cárcere. Vol 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

LENIN, V. I. o imperialismo. Fase superior do capitalismo. São Paulo: Centauro, 2002.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social. Os princípios ontológicos fundamentais de Marx. Trad. Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1979.

LUKÁCS, G. História e consciência de classe: estudos de dialética marxista. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2012.

MARX, K.; ENGELS, F. “Manifesto do Partido Comunista”. In: COUTINHO, C. N. [et.al.] o manifesto comunista 150 anos depois. Rio de Janeiro: Contraponto; São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

MAYO, G. E. The social problems of industrial civilization. Boston: Division of Research Graduate School of Business Administration, Harvard University, 1945.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

NETTO, J. P. capitalismo e reificação. São Paulo: Editora Ciências Humanas, 1981.

OHNO, T. o sistema toyota de Produção: além da produção em larga escala. Trad. Cristina Schumacher. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

TAYLOR, F.W. Princípios de administração científica. São Paulo: Editora Atlas, 1990. TRAGTENBERG, M. burocracia e Ideologia. São Paulo: Ática, 1980.

WEBER, M. ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.15

Downloads

Publicado

2014-07-18

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

A dialética da reestruturação produtiva: a processualidade entre fordismo, taylorismo e toyotismo. Revista Aurora, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 17–34, 2014. DOI: 10.36311/1982-8004.2014.v7n2.3848. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/3848.. Acesso em: 17 jun. 2024.