Sobre o De Magistro, de Santo Agostinho

Autores

  • João Azevedo Abreu

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31731996000100016

Palavras-chave:

Filosofia medieval, Filosofia da linguagem, Diálogo, Aprendizado, Ensinamento

Resumo

Este artigo está dividido em duas partes. Primeiro, mostramos os diferentes papéis das citações presentes no De Magistio, de Santo Agostinho. Depois, comparamos a estrutura em que o texto está disposto com a teoria que é aí desenvolvida. A partir de tal comparação, podemos ver que, nesse texto, uma teoria da linguagem não é filosoficamente fundamental e que o diálogo não é a melhor forma de alcançar a verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1996-12-01

Como Citar

Abreu, J. A. (1996). Sobre o De Magistro, de Santo Agostinho. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 19, 211–219. https://doi.org/10.1590/S0101-31731996000100016

Edição

Seção

Artigos e Comentários