Descolonizar a filosofia brasileira

desafios éticos e políticos para as filosofias do Sul global

Autores

  • Rodrigo Pelloso Gelamo Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília
  • Amanda Veloso Garcia Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)
  • Augusto Rodrigues Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.20.p415

Palavras-chave:

Filosofia brasileira, Colonialidade, Práticas universitárias, Historiografia

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar algumas das principais práticas da filosofia universitária brasileira, de forma a denunciar seus pressupostos colonizadores e apontar seus limites na elaboração de um pensamento filosófico capaz de se relacionar, efetivamente, com os problemas que nos afetam no território brasileiro. Analisaremos como a estratégia de leitura e explicação dos textos europeus e estadunidenses, considerados predominantemente as referências clássicas à filosofia, fazem funcionar as relações de saber e dominação existentes entre o Norte global sob os povos do Sul por eles colonizados. Utilizaremos a experiência constitutiva do curso de filosofia da Universidade de São Paulo como exemplo das práticas e dos pressupostos de colonialidade pelos quais nossa filosofia acadêmica é modelada. A partir das contribuições de Lélia Gonzalez (1988), Ailton Krenak (2019), Silvia Rivera Cusicanqui (2010), Leanne Betasamosake Simpson (KLEIN, 2012), serão questionados essas práticas e pressupostos, demonstrando como tais autores desafiam não só a alterar o habitual referencial teórico naturalizado na filosofia brasileira, mas, principalmente, a operar uma mudança ética e política nas relações que se estabelecem, usualmente, com a filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Pelloso Gelamo, Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília

Professor do Departamento de Didática e dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Filosofia
da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília, SP – Brasil.

Amanda Veloso Garcia, Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ)

Professora de Filosofia no Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Rio de Janeiro, RJ – Brasil.

Augusto Rodrigues, Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marília

Doutorando em Educação na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília, SP – Brasil.

Referências

ARANTES, Paulo Eduardo. Um departamento francês de Ultramar: estudos sobre a formação da cultura filosófica uspiana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Modernidade/Colonialidade sem “Imperialidade”? O Elo Perdido do Giro Decolonial. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 505-540, 2017.

BOURDIEU, Pierre. As ciências sociais e a filosofia. Trad. José Luiz Fiorin. Educação & Linguagem, ano 10, n. 6, p. 19-36, jul./dez. 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CEB nº 3/1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial, Poder Executivo, Brasília, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_98.pdf. Acesso em: 25 jun. 2020.

BRASIL. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC; SEMTEC, 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências Humanas e suas tecnologias (Ocem). Brasília: MEC; SEB, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ seb/arquivos/pdf/book_volume_03_internet.pdf. Acesso em: 12 mar. 2020.

CABRERA, Julio. Diário de um filósofo no Brasil. 2. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2013.

CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch’ixinakak utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Buenos Aires: Tinta Limón, 2010.

DANOWSKI, Débora; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie; Instituto Socioambiental, 2014.

DUSSEL, Enrique. 1492: o encobrimento do outro – a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

GOLDSCHMIDT, Victor. Tempo histórico e tempo lógico na interpretação dos sistemas filosóficos. Trad. Oswaldo Porchat. In: GOLDSCHMIDT, Victor. A religião de Platão. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970. p.139-147.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural da amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92-93, jan./jun. 1988.

GROSFOGUEL, Ramón. Del extractivismo económico al extractivismo epistémico y al extractivismo ontológico: una forma destructiva de conocer, ser y estar en el mundo. Tabula Rasa, Bogotá - Colômbia, n. 24, p. 123-143, enero/jun. 2016.

GUÉROULT, Martial. O problema da legitimidade da história da filosofia. Revista de História, São Paulo, v. 37, n. 75, p. 189-211, [1956] 1968. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/ article/view/128471/125316. Acesso em: 6 abr. 2020.

HEGEL, George W. F. [1837] Lecciones sobre la filosofía de la historia universal. Madrid: Alianza, 1982.

KLEIN, Naomi. Dancing the World into Being: A Conversation with Idle-No-More’s Leanne Simpson. Yes Magazine, March 5, 2012. Disponível em: http://www.yesmagazine.org/ peace-justice/dancing-the-world-into-being-a-conversation-with-idle-no-more-leannesimpson. Acesso em: 4 maio 2020.

LEBRUN, Gérard. Kant e o fim da metafísica. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1970] 2002.

MARGUTTI, Paulo Roberto. A história da filosofia do Brasil (1500-hoje): 1ª parte: o período colonial (1500-1822). São Paulo: Loyola, 2013.

MARGUTTI, Paulo Roberto. Sobre a nossa tradição exegética e a necessidade de uma reavaliação do ensino de Filosofia no país. Kriterion, Belo Horizonte , v. 55, n. 129, p. 397-410, jan./jun, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100 512X2014000100024&lng=en&nrm=iso. acesso em: 15 jul. 2020.

MARQUES, Ubirajara Rancan de Azevedo. A escola francesa de historiografia da Filosofia: notas históricas e elementos de formação. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

MAUGÜÉ, Jean. O ensino da filosofia: suas diretrizes. Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. 4, fasc. IV, p. 642, 1955.

MOURA, Carlos Alberto Ribeiro de. História stultitiae e história sapientiae. Discurso, São Paulo, v.17, p.151-72, 1988. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37935. Acesso em: 05 jun. 2020.

PALÁCIOS, Gonzalo Armijos. Ensino da filosofia no Brasil. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Brasília, n. 1, p. 1-16, nov./2003-abr./2004.

PALÁCIOS, Gonzalo Armijos. Filosofar e ensinar a filosofar. In: SARDI, Sérgio Augusto; SOUZA, Draiton Gonzaga de; CARBONARA, Vanderlei (org.). Filosofia e sociedade: perspectivas para o ensino de filosofia. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007. p. 103-113.

PRADO JÚNIOR, Bento. As filosofias da Maria Antônia (1956-1959) na Memória de um Ex-Aluno. In: SANTOS, Maria Cecília Loschiavo (org.). Maria Antônia: uma rua na contramão. São Paulo: Nobel, 1988. p. 66-81.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. In: LANDER, Edgardo (org.). Buenos Aires: Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais - CLACSO, 2005.

RIBEIRO, Renato Janine. Pode o Brasil renunciar a filosofar? In: SOUZA, José Crisóstomo de. A filosofia entre nós. Ijuí: Editora Uniju, 2005. p. 89-108.

RIBEIRO, Renato Janine. A universidade e a vida atual: Fellini não via filmes. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2014.

SANTOS, Boaventura de Souza. Um ocidente não-ocidentalista? A filosofia à venda, a douta ignorância e a posta de Pascal. In: SANTOS, Boaventura de Souza; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 519-562.

Recebido: 21/01/2020 - Aceito: 12/8/2020

Downloads

Publicado

2022-01-06 — Atualizado em 2022-06-23

Como Citar

Gelamo, R. P., Garcia, A. V., & Rodrigues, A. (2022). Descolonizar a filosofia brasileira: desafios éticos e políticos para as filosofias do Sul global. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 45, 415–438. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2022.v45esp.20.p415