O acerto de contas de Diderot com o ceticismo

Autores

  • Paulo Jonas de Lima Piva

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732008000200005

Palavras-chave:

ceticismo, pirronismo, ateísmo,

Resumo

: Este artigo é o segundo de uma tríade que trata do diálogo, mais precisamente do envolvimento, entre a filosofia de Denis Diderot e o ceticismo. O primeiro artigo, intitulado “O jovem Diderot e o ceticismo dos Pensamentos”, foi publicado na revista Dois Pontos, em sua edição dedicada ao tema do ceticismo (cf. PIVA, 2007), e limitou-se a uma análise minuciosa do problema da postura cética nos Pensamentos filosóficos, de 1746. O presente artigo, por seu turno, examina duas questões fundamentais, desta vez em O passeio do cético ou As alamedas, de 1747, último livro em que o ceticismo é evocado com destaque pelo enciclopedista, dois anos antes de ele render-se definitivamente ao materialismo ateu: 1) a interpretação que Diderot desenvolve do ceticismo e 2) sua posição diante dele. Já o terceiro e derradeiro texto da tríade examinará – evidentemente, numa próxima oportunidade – a presença do ceticismo no pensamento diderotiano da maturidade, ou seja, no período que se inicia em 1749, com a redação da Carta sobre os cegos, quando a questão da dúvida cética passa a perder em suas obras a relevância que tinha na origem de suas reflexões, mudando, até mesmo, de registro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-12-10

Como Citar

Piva, P. J. de L. (2008). O acerto de contas de Diderot com o ceticismo. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 31(2), 79–95. https://doi.org/10.1590/S0101-31732008000200005

Edição

Seção

Artigos e Comentários