Os tesouros de Crateto: sobre a validade do estudo histórico da filosofia

Autores

  • Gregorio Piaia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732002000100002

Palavras-chave:

História da filosofia, alteridade, valor formativo

Resumo

Em relação ao nosso presente, o passado é ao mesmo tempo próximo e distante, semelhante e distinto. Geralmente estudamos a história da filosofia para encontrar semelhanças ou afinidades com nossa atitude filosófica.Mas o pensamento do passado é freqüentemente diferente do nosso e nos leva a rever nossas respeitáveis opiniões. A abertura ao “outro”, em sentido diacrônico, é hoje o valor formativo essencial (e não só informativo!) da história da filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2002-01-12

Como Citar

Piaia, G. (2002). Os tesouros de Crateto: sobre a validade do estudo histórico da filosofia. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 25(1), 19–28. https://doi.org/10.1590/S0101-31732002000100002

Edição

Seção

Artigos e Comentários