Hannah Arendt e o problema da secularização na fundação de novos corpos políticos

Autores

  • Daiane ECCEL

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n2.07.p119

Palavras-chave:

Hannah Arendt, Secularização, Política, Religião, Sacralização.

Resumo

A questão da secularização também tem espaço no pensamento de Hannah Arendt. A autora sempre procurou um conceito puro de política (reinen Begriff des Politischen), que fosse independente de qualquer raiz religiosa ou que estivesse desvinculado de toda fonte metafísica e transcendente. No entanto, desde Platão, a tradição do pensamento político ocidental não encontra tal autonomia e esse problema se repete nos tempos modernos, sobretudo no momento da fundação de corpos políticos, como é o caso das revoluções, por exemplo. Além disso, Arendt também esclarece como o vácuo de autoridade contribui para a permanência do problema e reforça a necessidade daquilo que ela entende como “o incômodo problema do absoluto”. Este artigo privilegia a investigação de tais questões através dos textos Sobre a revolução, Religião e política e O que é autoridade? e sustenta a necessidade da separação das esferas política e religiosa, visando à boa manutenção de ambas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-06

Como Citar

ECCEL, D. (2018). Hannah Arendt e o problema da secularização na fundação de novos corpos políticos. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 41(2), 119–136. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2018.v41n2.07.p119

Edição

Seção

Artigos e Comentários