Da Revolução: Arendt, uma Moderna?

Autores

  • Daiane ECCEL

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000300007

Palavras-chave:

Arendt, Revoluções, Modernos, Gregos e romanos

Resumo

Em Da Revolução, Arendt aponta para o vigor da política que renasce por meio das iniciativas revolucionárias. Por outro lado, é preciso atentar para o fato de que várias outras características presentes em Da Revolução apontam para aspectos críticos e negativos da modernidade que estão presentes dentro do âmago das próprias revoluções. O objetivo deste texto consiste em analisar os elementos modernos presentes nas revoluções que são admirados por Arendt, bem como os retornos que ela faz à antiguidade, de modo que seja possível contrapô-los e mostrar que, apesar de a autora louvar os feitos modernos das revoluções, o faz tendo Atenas e Roma como referências, já que a forma de participação dos conselhos provenientes das revoluções lembra, em grande escala, a polis grega, e a liberdade pública exaltada pelas revoluções (neste caso, a americana) corresponde à liberdade dos antigos, da mesma maneira como o ato de fundação da república americana lembra com grande vigor a fundação da “cidade eterna”. O objetivo, longe de enquadrar Arendt em alguma das categorias que seus comentadores já fizeram, está em perceber a relevância de não negar a importância que os antigos legaram para as considerações “modernas” de Arendt, assim como voltar os olhares para essa autora como alguém que realmente pensou seu tempo tendo os antigos como alguns parâmetros, mas não considerando isso de forma inteiramente negativa. Em outras palavras, trata-se de tentar assumir esse caráter presente na obra de Arendt, sem que ele seja tomado como um defeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-09

Como Citar

ECCEL, D. (2013). Da Revolução: Arendt, uma Moderna?. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 36(3), 109–128. https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000300007

Edição

Seção

Artigos e Comentários