A multiplicidade originária

uma leitura da filosofia de Franz Rosenzweig

Autores

  • Oneide Perius Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2020.v43n4.15.p255

Palavras-chave:

Franz Rosenzweig, totalidade, multiplicidade originária, Estrela da Redenção, novo pensamento

Resumo

O presente estudo pretende explicitar, a partir da filosofia de Franz Rosenzweig, como a tradição dominante da filosofia foi construída em torno da ideia de totalidade. O filósofo elenca uma série de consequências que se explicam a partir deste paradigma. Um novo pensamento precisa implodir esta totalidade revelando uma multiplicidade originária que o pensamento nunca conseguiu neutralizar. O tempo, a experiência e o pensamento renovado são categorias centrais nesta revolução filosófica proposta pelo filósofo de Kassel.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oneide Perius, Universidade Federal do Tocantins

Doutor em Filosofia pela PUCRS. É professor Adjunto no curso de Filosofia da UFT (Universidade Federal do Tocantins, Campus de Palmas) e no Mestrado Profissional em Prestação Jurisdicional e Dirietos Humanos (UFT/ESMAT). Atua principalmente nas seguintes áreas de pesquisa: Teoria Crítica, Teoria Crítica e Direitos Humanos, Hermenêutica e Linguagem. É autor dos livros: Esclarecimento e Dialética Negativa: sobre a negatividade do conceito em Theodor Adorno (2008) e Walter Benjamin: a filosofia como exercício (2013)

Downloads

Publicado

2020-11-20

Edição

Seção

Artigos/Articles