A ÓPERA E O FINAL FELIZ

QUESTÕES DE POÉTICA

Autores

  • PAULO KÜHL

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000500004

Palavras-chave:

Ópera, Final feliz, Poética

Resumo

Desde os primórdios dos espetáculos teatrais inteiramente musicados, estabelece-se a convenção tácita do final feliz. Desse modo, até mesmo episódios oriundos de escritores antigos, com conhecidos finais funestos, acabaram sendo transformados, acomodando a trama aos usos dos locais onde óperas eram apresentadas. Apesar de parecer uma solução fácil ou episódica, há algumas questões poéticas envolvidas, o que transparece sobretudo em alguns escritos sobre ópera, no século XVIII. A proposta deste artigo é discutir, em primeiro lugar, através de exemplos, como o final feliz acontece em algumas óperas e qual a função que nelas desempenha; num segundo momento, a intenção é mostrar como a crítica italiana do final do século XVIII se mobiliza para dar conta da questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

PAULO KÜHL

O Laboratório Editorial foi instituído com o objetivo de criar condições e oportunidades para a difusão de pesquisas e tornar públicos os resultados dos trabalhos do corpo docente da FFC. Constitui-se num órgão adjunto à Diretoria da FFC e vinculado à SAEPE, com o apoio da Seção Gráfica, da Diretoria, da Biblioteca, e das Seções de Finanças, Compras e Técnica Acadêmica. A função do Laboratório Editorial é a de assessorar, planejar, realizar e distribuir livros, periódicos e outras publicações elaboradas na FFC.

E-mail: labeditorial@marilia.unesp.br 

Downloads

Publicado

2017-01-17

Como Citar

KÜHL, P. (2017). A ÓPERA E O FINAL FELIZ: QUESTÕES DE POÉTICA. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 39(Special Issue), 37–52. https://doi.org/10.1590/S0101-31732016000500004

Edição

Seção

Artigos e Comentários