O homem vazio: uma crítica ao utilitarismo

Autores

  • Érico Andrade

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000200007

Palavras-chave:

Moral, Utilitarismo, Bem, Contexto, Empatia,

Resumo

O objetivo do meu artigo é criticar a compreensão utilitarista do agente moral como átomo racional que está disposto invariavelmente a agir de acordo com o não sofrimento. Minha hipótese é a de que o utilitarismo esvazia os seres humanos de suas motivações para oferecer uma imagem opaca do agente moral. Por isso, ele é incapaz de solucionar dilemas morais que envolvem, por um lado, o autossacrifício por razões afetivas e, por outro, conflitos que opõem culturas distintas. Meu ponto é que não é necessariamente imoral a ação de um agente o qual sacrifica a solução ótima (proposta pelo cálculo utilitário e que privilegia a maioria), em nome de uma motivação afetiva, que julga que uma vida pode valer mais do que outra, nem o sofrimento é necessariamente imoral em todas as culturas de modo uniforme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-07-26

Como Citar

Andrade, Érico. (2013). O homem vazio: uma crítica ao utilitarismo. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 36(2), 105–122. https://doi.org/10.1590/S0101-31732013000200007

Edição

Seção

Artigos e Comentários