Considerações sobre o conceito de revolução e suas relações com as ideias de tempo e história: em busca de uma noção contemporânea

Autores

Palavras-chave:

Revolução, Revolta, Tempo, História

Resumo

O artigo explora o desenvolvimento do conceito de revolução na modernidade. Parte-se da hipótese, formulada por Lazzarato, que afirma ser o abandono da ideia de revolução a razão da derrota política e teórica do pensamento crítico pós-maio de 68. A seguir, traça-se uma breve genealogia do conceito de revolução, detendo-se na herança da Revolução Francesa. Nesta parte, utilizam-se as análises do clássico estudo de Kosseleck, mas também a leitura foucaultiana de Kant. Um terceiro momento é dedicado à crítica entre a concepção de tempo e sua relação com a história, na obra de Giorgio Agamben. O italiano, amparado em Walter Benjamin, argumenta que faltou ao marxismo uma compreensão radical do tempo, à altura de sua concepção de história. Para finalizar, explora-se a dicotomia revolta e revolução, na tentativa de abrir outras hipóteses argumentativas ao pensamento crítico, a partir da ideia de suspensão do tempo histórico presente num estudo de outro italiano, Furio Jesi.

Biografia do Autor

  • Raphael Guazzelli Valerio, UFPE

    Centro de Educação/Departamento de Fundamentos Sociofilosóficos da Educação/Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2058-6478.

Referências

AGAMBEN, G. Tempo e História: crítica do instante e do contínuo. In: AGAMBEN, G. Infância e História. Tradução Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. El tempo que resta. Madrid: Trotta, 2006.

AGAMBEN, G. Signatura Rerum: sobre o método. Tradução de Andrea Santurbano, Patrícia Peterle. São Paulo: Boitempo, 2019.

ARENDT, H. Lições sobre a filosofia política de Kant. Tradução André de Macedo Duarte. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

ARENDT, H. Sobre a revolução. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BENJAMIN, W. O anjo da história. Tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

BERARDI, F. Depois do futuro. Tradução Regina Silva. São Paulo: UBU, 2019.

BROWN, W. Nas ruínas do neoliberalismo. Tradução Mario Marino e Eduardo Santos. São Paulo: Politeia, 2019.

CASTORIADIS, C.; LEFORT, C.; MORIN, E. Maio de 68: a brecha. Tradução Anderson Lima da Silva, Martha Coletto Costa. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

CHAMAYOU, G. A sociedade ingovernável. Uma genealogia do liberalismo Autoritário. Tradução Letícia Mei. São Paulo: UBU, 2020.

DARDOT, P. et al. A escolha da guerra civil. Uma outra história do neoliberalismo. Tradução Márcia Cunha. São Paulo: Elefante, 2021.

ELIAS, N. O processo civilizador. V. 1. Tradução de Ruy Jungmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FOUCAULT, M. O governo de si e dos outros. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GENTILE, E. Chi è fascista. Roma: Laterza, 2019.

HAZAN, E. A dinâmica da revolta. Tradução Lucas Parente. São Paulo: GLAC, 2021.

JESI, F. Spartakus: simbologia da revolta. Tradução Vinicius Honesko. São Paulo: N-1, 2018.

JESI, F. Cultura de direita. Tradução Davi Pessoa. Belo Horizonte: Âyiné, 2021.

KANT, I. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. Tradução Ricardo Naves, Ricardo R. Terra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KOSELLECK, R. Futuro Passado. Tradução Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: ED PUC, 2006.

LAZZARATO, M. Fascismo ou revolução? Tradução Takashi Wakamatsu, Fernando Scheibe. São Paulo: N-1, 2019.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução Irene Ferreira, Bernardo Leitão, Suzana Ferreira Borges. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LYOTARD, J-F. El entusiasmo: critica kantiana de la historia. Barcelona: Gedisa, 1994.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução Rubens Enderle, Leonardo de Deus. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. Tradução Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

PEREIRA, A. Uma tradução de Romanos 1 com comentários temáticos. Revista Eletrônica Espaço Teológico, v. 11, n.19, 2017.

PETERS, M. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TARÌ, M. Um piano nas barricadas: por uma história da autonomia, Itália 1970. Tradução Edições Antipáticas. São Paulo: GLAC: N-1, 2019.

THOMPSON, E. Costumes em comum. São Paulo: Companhia da Letras, 1998.

TRAVERSO, E. As novas faces do fascismo. Tradução Mônica Fernandes, Rafael Mello, Raphael Lana Seabra. Belo Horizonte: Âyiné, 2021.

WILLIAMS, J. Pós-estruturalismo. Tradução de Caio Liudvik. 2. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

Recebido: 06/03/2023 - Aprovado: 18/05/2023 - Publicado: 22/10/2023

Publicado

21-10-2023

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

Considerações sobre o conceito de revolução e suas relações com as ideias de tempo e história: em busca de uma noção contemporânea. (2023). Trans/Form/Ação, 47(1), e0240014. https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/14306