Considerações sobre o conceito de revolução e suas relações com as ideias de tempo e história: em busca de uma noção contemporânea

Autores

Palavras-chave:

Revolução, Revolta, Tempo, História

Resumo

O artigo explora o desenvolvimento do conceito de revolução na modernidade. Parte-se da hipótese, formulada por Lazzarato, que afirma ser o abandono da ideia de revolução a razão da derrota política e teórica do pensamento crítico pós-maio de 68. A seguir, traça-se uma breve genealogia do conceito de revolução, detendo-se na herança da Revolução Francesa. Nesta parte, utilizam-se as análises do clássico estudo de Kosseleck, mas também a leitura foucaultiana de Kant. Um terceiro momento é dedicado à crítica entre a concepção de tempo e sua relação com a história, na obra de Giorgio Agamben. O italiano, amparado em Walter Benjamin, argumenta que faltou ao marxismo uma compreensão radical do tempo, à altura de sua concepção de história. Para finalizar, explora-se a dicotomia revolta e revolução, na tentativa de abrir outras hipóteses argumentativas ao pensamento crítico, a partir da ideia de suspensão do tempo histórico presente num estudo de outro italiano, Furio Jesi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Guazzelli Valerio, UFPE

Centro de Educação/Departamento de Fundamentos Sociofilosóficos da Educação/Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE – Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-2058-6478.

Referências

AGAMBEN, G. Tempo e História: crítica do instante e do contínuo. In: AGAMBEN, G. Infância e História. Tradução Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. El tempo que resta. Madrid: Trotta, 2006.

AGAMBEN, G. Signatura Rerum: sobre o método. Tradução de Andrea Santurbano, Patrícia Peterle. São Paulo: Boitempo, 2019.

ARENDT, H. Lições sobre a filosofia política de Kant. Tradução André de Macedo Duarte. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

ARENDT, H. Sobre a revolução. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

BENJAMIN, W. O anjo da história. Tradução João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

BERARDI, F. Depois do futuro. Tradução Regina Silva. São Paulo: UBU, 2019.

BROWN, W. Nas ruínas do neoliberalismo. Tradução Mario Marino e Eduardo Santos. São Paulo: Politeia, 2019.

CASTORIADIS, C.; LEFORT, C.; MORIN, E. Maio de 68: a brecha. Tradução Anderson Lima da Silva, Martha Coletto Costa. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

CHAMAYOU, G. A sociedade ingovernável. Uma genealogia do liberalismo Autoritário. Tradução Letícia Mei. São Paulo: UBU, 2020.

DARDOT, P. et al. A escolha da guerra civil. Uma outra história do neoliberalismo. Tradução Márcia Cunha. São Paulo: Elefante, 2021.

ELIAS, N. O processo civilizador. V. 1. Tradução de Ruy Jungmann. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FOUCAULT, M. O governo de si e dos outros. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GENTILE, E. Chi è fascista. Roma: Laterza, 2019.

HAZAN, E. A dinâmica da revolta. Tradução Lucas Parente. São Paulo: GLAC, 2021.

JESI, F. Spartakus: simbologia da revolta. Tradução Vinicius Honesko. São Paulo: N-1, 2018.

JESI, F. Cultura de direita. Tradução Davi Pessoa. Belo Horizonte: Âyiné, 2021.

KANT, I. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. Tradução Ricardo Naves, Ricardo R. Terra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KOSELLECK, R. Futuro Passado. Tradução Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: ED PUC, 2006.

LAZZARATO, M. Fascismo ou revolução? Tradução Takashi Wakamatsu, Fernando Scheibe. São Paulo: N-1, 2019.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução Irene Ferreira, Bernardo Leitão, Suzana Ferreira Borges. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LYOTARD, J-F. El entusiasmo: critica kantiana de la historia. Barcelona: Gedisa, 1994.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Tradução Rubens Enderle, Leonardo de Deus. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. Tradução Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

PEREIRA, A. Uma tradução de Romanos 1 com comentários temáticos. Revista Eletrônica Espaço Teológico, v. 11, n.19, 2017.

PETERS, M. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença: uma introdução. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

TARÌ, M. Um piano nas barricadas: por uma história da autonomia, Itália 1970. Tradução Edições Antipáticas. São Paulo: GLAC: N-1, 2019.

THOMPSON, E. Costumes em comum. São Paulo: Companhia da Letras, 1998.

TRAVERSO, E. As novas faces do fascismo. Tradução Mônica Fernandes, Rafael Mello, Raphael Lana Seabra. Belo Horizonte: Âyiné, 2021.

WILLIAMS, J. Pós-estruturalismo. Tradução de Caio Liudvik. 2. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

Recebido: 06/03/2023 - Aprovado: 18/05/2023 - Publicado: 22/10/2023

Publicado

2023-10-21

Como Citar

Valerio, R. G. (2023). Considerações sobre o conceito de revolução e suas relações com as ideias de tempo e história: em busca de uma noção contemporânea. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 47(1), e0240014. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/14306

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.