Socioconstrutivismo:

críticas e respostas

Autores

  • Marcos Rodrigues da Silva Universidade Estadual de Londrina.

Palavras-chave:

Socioconstrutivismo, Filosofia da ciência, Argumento da retorsão

Resumo

O artigo apresenta e discute quatro objeções que têm sido direcionadas ao socioconstrutivismo, enquanto concepção de ciência: i) sua impossibilidade teórica; ii) sua implausibilidade teórica; iii) sua irrelevância; iv) sua indesejabilidade. O artigo sustenta a inadequação das quatro objeções, sugere a importância do socioconstrutivismo, mas defende que essa posição não é nem a única nem a melhor, para nossa compreensão da ciência, porém, apenas mais uma, dentre tantas contribuições filosóficas para essa compreensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Rodrigues da Silva, Universidade Estadual de Londrina.

Possui graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1994), mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1996) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2003). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual de Londrina e Bolsista Pesquisador da Fundação Araucária. Atua em Filosofia da Ciência, especialmente nos seguintes temas: realismo científico, história da biologia e ensino de biologia. https://orcid.org/0000-0003-3388-6381.

Referências

COLLINS, H, PINCH, T. O Golem. São Paulo: Unesp, 2004.

DEBRÉ, P. Louis Pasteur. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1989.

GEISON, G. The Private Science of Louis Pasteur. Princeton: Princeton University Press, 1995.

LATOUR, B. A Esperança de Pandora. Bauru: EDUSC, 2001.

STANFORD, K. Exceeding our Grasp. Oxford, Oxford University Press, 2006.

BOWLER, P. The Mendelian Revolution. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1989.

LENOIR, T. Instituindo a Ciência. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

SMITH, B. Belief and Resistance. Cambridge: Harvard University Press, 1997.

KOHLER, R. Lords of the Fly. Chicago: Chicago University Press, 1994.

KITCHER, P. The Advancement of Science. Oxford: Oxford University Press, 1993.

KNORR-CETINA, K. The Manufacture of Knowledge. Oxford: Pergamon Press, 1981.

KUKLA, A. Social Constructivism and the Philosophy of Science. London: Routledge, 2000.

LADYMAN, J. Understanding Philosophy of Science. London: Routledge, 2002.

LATOUR, B. Science in Action. Cambridge: Harvard University Press, 1987.

LAUDAN, L. O progresso e seus problemas: rumo a uma teoria do crescimento científico. São Paulo: UNESP, 2010.

BLOOR, D. Conhecimento e Imaginário Social. São Paulo: UNESP, 2009.

LEPLIN, J. A novel defense of scientific realism. Oxford: Oxford University Press, 1997.

STENGERS, I. A Invenção das Ciências Modernas. São Paulo: Editora 34, 2002.

READHED, M. Da Física à Metafísica. Campinas: Papirus, 1997.

PSILLOS, S. Scientific Realism: How Science Tracks Truth. London: Routledge, 1999.

CHALMERS. A. a Fabricação da Ciência. São Paulo: UNESP, 1994.

HACKING, I. The Social Construction of What?. Cambridge: Harvard University Press, 1999.

Publicado

07-07-2022 — Atualizado em 07-07-2022

Como Citar

Silva, M. R. da. (2022). Socioconstrutivismo:: críticas e respostas. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 45(3), 163–178. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/12378

Edição

Seção

Artigos e Comentários