Lacan x Buber/Paz

entre o contingente e o eterno

Autores

  • Sílvia Simone Anspach Pontifica Universidade Católica - PUC/SP

Palavras-chave:

Todo primordial, luto primordial, objeto perdido, hiância, homem do humanismo, ordem simbólica, Outro absoluto, Ser, religião, palavra-princípio, EU-TU, outridade, EU-ISSO, aliedade, dialógico

Resumo

Um confronto entre as idéias de Lacan de um lado e as de Buber e O. Paz de outro revela uma incompatibilidade absoluta de posições. Para Lacan, a unidade primordial é irresgatável e, aliás, jamais existiu, não passando de uma alucinação. O nascimento impõe ao sujeito uma condição de fragmentaridade. Toda a empresa humana se reduz à busca da unidade perdida, ao desejo, que visa a objetos que, produzirem um simulacro de gozo, preenchem uma ausência primeira com sua presença de maneira falseada. Inversamente, para Buber/Paz, o todo primordial se instala desde o princípio e jamais deixa de existir. A ação humana pode despertar este todo a cada momento, em cada ato e fato corriqueiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

01-01-1987 — Atualizado em 01-03-2023

Como Citar

Anspach, S. S. (2023). Lacan x Buber/Paz: entre o contingente e o eterno. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 9, 51–56. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/12203

Edição

Seção

Artigos e Comentários