Cibercultura e educação:

pontos e contrapontos entre a visão de Pierre Lévy e David Lyon

Autores

  • Angela Luzia Miranda

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n1.04.p45%20%20%20

Palavras-chave:

Cibercultura. Educação. Ciberdemocracia. Vigilância.

Resumo

O artigo visa a confrontar o visível otimismo de Pierre Lévy sobre a cibercultura como espaço de produção da inteligência coletiva e da educação para a democratização social, com a postura crítica de David Lyon acerca da cultura da vigilância e seus efeitos sociopolíticos, na era da cibercultura. De cunho filosófico e qualitativo, cuja fonte de pesquisa é essencialmente bibliográfica, trata-se de um estudo comparativo que busca estabelecer as diferenças elementares entre a postura de Lévy e Lyon sobre a cibercultura. Em consequência, e reconhecendo as teses de Lyon sobre a ilusão do anonimato e os riscos do fim da privacidade, na era da cibercultura, o estudo termina por apontar alguns indicativos sobre as novas práticas educativas nesse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Luzia Miranda

Doutora em Filosofia e Professora Associada da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN – Brasil. Coordenadora do Grupo de Estudos Phrònesis: Estudos em Filosofia, Ciência, Tecnologia e Sociedade. https://orcid.org/0000-0002-4516-7301 E-mail: angelalmiranda@gmail.com. Em seu projeto inicial, esse estudo contou também com a colaboração de Diego Silveira Souza, doutorando em Neurociências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Downloads

Publicado

2021-04-22

Edição

Seção

Artigos/Articles