A concepção Kantiana da experiência estética: novidades, tensões e equilíbrios

Autores

  • Leonel Ribeiro dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732010000200004

Resumo

Neste ensaio proponho-me identificar alguns aspectos peculiares da problematização kantiana da experiência estética, assinalando as suas tensões e os equilíbrios que a sustentam e mostrar que a sua fecundidade especulativa não se esgota no aproveitamento que a geração póskantiana (do Classicismo, Romantismo e Idealismo) fez de alguns dos seus elementos, mas continua a revelar-se na redescoberta que, nas últimas décadas, dela vem sendo feita e cujo alcance se tem provado na capacidade que oferece para revitalizar os debates actuais acerca dos problemas estéticos. Tento mostrar, nomeadamente, que a meditação kantiana representa um singular momento de equilíbrio instável entre dois regimes de pensamento estético: um, que gira em torno da categoria do gosto (Geschmack), entendido como um senso comum estético que invoca uma preocupação social e comunitária, o outro, que gira em torno da categoria do génio (Genie) e do pressuposto do carácter absoluto da individualidade e subjectividade criadora; um, que reabilita a sensibilidade humana (Sinnlichkeit) e as qualidades sensíveis dos objectos enquanto contempladas e apreciadas pelo sujeito, o outro, centrado na categoria do sentimento íntimo (Gefühl), entendido como algo inalienável e como o irredutivelmente subjectivo da vivência individual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-10

Como Citar

Santos, L. R. dos. (2010). A concepção Kantiana da experiência estética: novidades, tensões e equilíbrios. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 33(2), 35–76. https://doi.org/10.1590/S0101-31732010000200004

Edição

Seção

Artigos e Comentários

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.