A beleza no ritmo pseudo-dionisiano da processão/conversão

Autores

  • Filipa Afonso

Palavras-chave:

Beleza, Criação, Processão.

Resumo

No contexto da Metafísica Medieval, a «beleza» foi pensada como um conceito ambíguo: ora atribuído a Deus, ora atribuído ao Mundo. O propósito deste artigo é clarificar o sentido desta ambiguidade no âmbito da filosofia do Pseudo-Dionísio Areopagita. Se, portanto, o conceito de «beleza» é, em primeiro lugar, despojado do seu carácter sensível e mundano, para ser apropriado à natureza divina, ele é, num segundo momento, aposto à própria criação, de forma a designar a manifestação visível da beleza transcendente e o chamamento vital para a perscrutação teológica

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2010-12-10

Como Citar

Afonso, F. (2010). A beleza no ritmo pseudo-dionisiano da processão/conversão. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia Da Unesp, 33(2), 1–10. Recuperado de https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/transformacao/article/view/1029

Edição

Seção

Artigos e Comentários