A DUPLA NATUREZA DO CENTAURO E A LUTA DE CLASSES NO BRASIL

Autores

  • Anita Helena Schlesener
  • Gilson Mezarobba
  • Tatiani Maria Garcia de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.36311/2526-1843.2021.v6n8.p18-32

Palavras-chave:

Hegemonia. Luta de classes. Filosofia da práxis

Resumo

Este artigo parte da metáfora do Centauro maquiavélico para desenvolver algumas reflexões sobre a crise orgânica vivida no Brasil nesta segunda década do século XXI. O referencial teórico se concentra na obra de Antonio Gramsci, tendo como base o conceito de hegemonia para explicitar características da luta de classes, renovada em suas novas dimensões políticas e ideológicas. Na primeira parte retomamos dados históricos explicitando as políticas imperialistas e as novas características da luta de classes, principalmente com a acentuação do fascismo. Em seguida, abordamos a questão da hegemonia expressa no equilíbrio entre força e consenso, mas também como superação da violência pela civilidade, fator acentuado por Maquiavel na política aconselhada ao Príncipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUDELAIRE, Charles. Ultimi Scritti. Milano: Feltrinelli, 1995.

BENJAMIN, Walter. Teses sobre o conceito de história. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo, Brasiliense, 1987.

FRESU, Giovanni. Nas trincheiras do ocidente: lições sobre o fascismo e o antifascismo. UFPR: Ponta Grossa-PR, 2017.

GRAMSCI, Antonio. Socialismo e Fascismo – L’Ordine Nuovo 1921-1922. Torino: Einaudi,1978.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere: Maquiavel: Notas sobre o Estado e a Política. Vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, Antonio. Quaderni del Carcere. Torino Einaudi, 1978b.

LENIN, V. O Imperialismo: fase superior do capitalismo. São Paulo: Global Editora, 1979.

MARIÁTEGUI, José Carlos. As Origens do Fascismo. Organizador: Luiz Bernardo Pericás.

São Paulo: Alameda, 2010.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã: Crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845 – 1846). Supervisão editorial: Leandro Konder. Tradução: Rubens Enderle; Nélio Schneider; Luciano Cavini Martorano. São Paulo: Boitempo, 2007.

MEZAROBBA, Gilson. Imperialismo e Educação: a relação entre a educação pública e as fundações e institutos empresariais no Brasil (1990-2014). Tese de doutorado, UTP: Curitiba, 2017.

MORDENTI, Raul. Gramsci e la rivoluzione italiana. Roma: Riuniti, 2007.

PACHECO, Cristina Carvalho. Os combatentes inimigos e o governo Bush: o papel da suprema corte na política externa do governo Bush (2001-2008). In: KOERNER, A., org. Política e direito na suprema corte norte-americana: debates teóricos e estudos de caso [online]. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2017, p. 221-249.

SCHELESENER, Anita Helena. Hegemonia, Cultura e seus Desdobramentos na Educação: uma Leitura dos Escritos de Antonio Gramsci. Cadernos de Pesquisa:

Pensamento Educacional, Curitiba, v. 8, n. 19, p. 119-131, maio/ago. 2013. Disponível em http://www.utp.br/cadernos_de_pesquisa/

TROTSKY, Leon. A História da Revolução Russa: o triunfo dos Sovietes. Volume 3ª Ed. do Centenário. Brasília: Edições do Senado Federal, 2017.

Downloads

Publicado

2021-06-30