O governo biopolítico do migrante de sobrevivência

uma leitura crítica da lógica do capital humano na era neoliberal

Autores

  • Cesar Candiotto Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n2.07.p87

Palavras-chave:

Biopolítica, Governamentalidade, Migração de sobrevivência, Capital humano, Neoliberalismo

Resumo

Neste artigo retomo o significado do verbo “governar” como sendo a disposição correta dos homens mediante sua relação com as coisas. Esta definição foi proposta por Michel Foucault em Segurança, território, população, a partir de sua leitura do pensador renascentista Guillaume La Perrière. Desdobro essa designação deixada por Foucault para analisar a maneira de governar da biopolítica neoliberal contemporânea dos chamados migrantes de sobrevivência, conforme a denominação de Alexander Betts. Na governamentalidade biopolítica neoliberal, a regulação da circulação dos migrantes de sobrevivência é realizada pela sua dependência da circulação das coisas, no caso, o livre fluxo transnacional do capital econômico. Cogito que o critério normativo para diferenciar entre a boa e a má circulação dos migrantes na época contemporânea não ocorre no terreno da política, mas na esfera neoliberal da biopolítica, especialmente seus desdobramentos no conceito de capital humano. Dele depreende-se que não somente o trabalho produtivo, mas ainda a vida completa dos indivíduos é avaliada em termos de investimentos e riscos pela aquisição de competências, desenvolvimento de performances e mobilidade contínua. Em Nascimento da biopolítica, de 1979, Foucault considera que a migração é um dos investimentos mais arriscados na aquisição de capital humano, porém a situa de maneira homogênea, como se qualquer migrante pudesse se subjetivar como um empresário e investidor de si mesmo. Sustento que a objetivação negativa dos migrantes de sobrevivência como improdutivos e indesejáveis tem como possível causa sua identificação indiferenciada a qualquer outro migrante econômico que busca qualificar seu capital humano. Ao apresentar este argumento, evidencio o mecanismo de economização da vida que permeia a subjetivação neoliberal e os reducionismos dele resultantes, tal como a redução da vida ao homo oeconomicus e sua designação como capital humano. Proponho que uma maneira de evitar estes reducionismos consiste na tentativa de conversão do olhar em relação ao migrante de sobrevivência, a começar pelo desnudamento da racionalidade que alimenta a produção biopolítica de sua existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALIBAR, E. Nous, citoyens d’Europe? Les frontières, l’État, le peuple. Paris: La Découverte & Syros, 2001.

BECKER, G. Crime and punishment: an economic approach. Journal of Political Economic, v. 73, n. 2, 1968, p. 196-217.

BETTS, A. Survival Migration: A New Protection Framework. Global Governance: A Review of Multilateralism and International Organizations, v. 16, n. 3, 2010, p. 361-382.

BROWN, W. El Pueblo sin atributos: la secreta revolución del neoliberalismo. Traducción de Víctor Altamirano. Barcelona: Malpaso, 2016 (Edición E-book).

DARDOT, P.; LAVAL, C. La nouvelle raison du monde: essai sur la société néolibérale. Paris: La Découverte, 2010.

FOUCAULT, M. Les mots et les choses. Paris: Gallimard, 1966.

FOUCAULT, M. La philosophie analytique de la politique. In: Dits et écrits II. 1976-1988. Paris: Quarto/Gallimard, 2001. v. II, p. 534-551.

FOUCAULT, M. Sécurité, territoire, population. Cours au Collège de France. 1977-1978. Ed. François Ewald et Alessandro Fontana, par Michel Sennellart. Paris: Gallimard; EHESSE; Seuil, 2004a.

FOUCAULT, M. Naissance de la biopolitique. Cours au Collège de France, 1978-1979. Édition établie par François Ewald et Alessandro Fontana, par Michel Senellart, Paris: Gallimard; Seuil, 2004b.

JEANPIERRE, L. Capitalisme et gouvernement des circulations. In: LAVAL, Ch.; PALTRINIERI, L.; TAYLAN, F. (org.). Marx & Foucault. Lectures, usages, confrontations. Paris: La Découverte, 2015, p. 213-227.

LE BLANC, G. História da loucura na Idade Clássica: uma história da pobreza. In: MUCHAIL, S. T.; FONSECA, M. A. da; VEIGA-NETO, A. (org.). O mesmo e o outro: 50 anos de História da loucura. Belo Horizonte: Autêntica, 2013, p. 173-189.

REVEL, J. Ne pas faire vivre et laisser mourir. Revue Esprit, juil./août 2018. Disponível em: https://esprit.presse.fr/article/judith-revel/ne-pas-faire-vivre-et-laisser-mourir-41602. Acesso em: 10 fev. 2020.

Recebido: 28/3/2020 - Aceito: 09/7/2020

Downloads

Publicado

2021-06-25 — Atualizado em 2021-08-27

Como Citar

Candiotto, C. (2021). O governo biopolítico do migrante de sobrevivência: uma leitura crítica da lógica do capital humano na era neoliberal. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 44(2), 87–106. https://doi.org/10.1590/0101-3173.2021.v44n2.07.p87

Edição

Seção

Artigos e Comentários