Kant e a admiração da natureza

Autores

  • Ulisses Razzante Vaccari

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732009000100006

Palavras-chave:

admiração, sentimento, princípio

Resumo

O parágrafo 62 da Crítica do Juízo, cuja função é definir o conceito de conformidade a fins objetiva (objektive Zweckmässigkeit), começa com uma declaração do filósofo segundo a qual todas as figuras geométricas se relacionam com uma conformidade a fins objetiva e admirável. Embora não seja aqui essencial para a definição do princípio dessa conformidade a fins, a afirmação de Kant de que ela é muitas vezes digna de admiração exerce um importante papel para a sua própria definição. O objetivo deste texto é tecer algumas considerações em torno dessa relação entre o princípio estritamente lógico da conformidade a fins e o sentimento em geral, seja de admiração da natureza, ou em todas as suas variações, tais como aparece na sequência do mesmo parágrafo 62: o entusiasmo, a alegria e a estupefação. Embora de antemão se reconheça que tais sentimentos não podem intervir no mecanismo estritamente lógico desse princípio, que, segundo Kant, é transcendental, pretende-se mostrar como o seu uso relaciona-se sempre e de algum modo com um sentimento. Para isso, é preciso mostrar que a afirmação de Kant segundo a qual o juízo teleológico não possui nenhuma relação com o sentimento de prazer e desprazer não implica necessariamente que esse tipo de juízo não possua relação nenhuma como nenhum tipo de sentimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-01-10

Como Citar

Vaccari, U. R. (2009). Kant e a admiração da natureza. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 32(1), 85–94. https://doi.org/10.1590/S0101-31732009000100006

Edição

Seção

Artigos e Comentários