A memória na mistagogia joãocruciana

Autores

  • Marcelo Martins Barreira

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-31732007000100004

Palavras-chave:

alma, memória, união de amor, João da Cruz, Deus.

Resumo

A importância da memória na Subida do Monte Carmelo advém de sua capacidade de manter as experiências agradáveis ou desagradáveis, permitindolhes que se aprofundem e se ramifiquem na alma, com graves repercussões na vida espiritual. A memória busca, no arquivo de imagens e vivências, dados que alimentem a agressividade, a cobiça, a paixão, soberba e vingança; com o agravante de que não tem limites de duração, o que lhe permite realizar continuamente esta sua ação. A alma, quando retém e apreende preferencialmente a lembrança de amarguras passadas, acaba não se abrindo para a ação divina que ora se lhe manifesta. Por isso, para que participe diretamente da comunhão divina,da mesma forma que as demais potências espirituais, a memória deve esvaziarse. A purificação e o esvaziamento da memória não prescrevem o esquecimento do que se conhece ou se lembra, apenas manifestam a necessidade de ela ficar livre de considerações particulares numa esperança que a purifica a fim de deixá-la livre para receber a comunicação divina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-01-01

Como Citar

Barreira, M. M. (2007). A memória na mistagogia joãocruciana. TRANS/FORM/AÇÃO: Revista De Filosofia, 30(1), 41–50. https://doi.org/10.1590/S0101-31732007000100004

Edição

Seção

Artigos e Comentários